Nova Orleans

Uma cidade singular. Cativante, marcante, sedutora em seu espírito risonho. Tudo próprio de uma terra que é uma encruzilhada de diferentes mundos que se colidiram para se transformar num dos melhores destinos turísticos dos Estados Unidos. Nova Orleans, capital da Louisiana, é uma América um tanto diferente. Das raízes francesas, com toques caribenhos e forte influência negra, floresceu uma cultura que nos brinda com uma cozinha espirituosa e familiar e uma musicalidade pouco vista em outros lugares do mundo.

Uma banda no estilo Dixieland ou a batida suingada de uma jam session de jazz, o calor da Bourbon Street e os riffs de uma Gibson, tudo por aqui segue um ritmo único. Um pouco dessa magia foi varrida junto às enchentes e a tragédia do Katrina, em 2005, mas Nova Orleans bravamente resistiu e hoje muito da animação foi restituída, seja no hedonístico (e etílico) festival do Mardi Gras ou nos inúmeros bares e clubes de jazz do French Quarter. Quem vem aqui quer exatamente isto, uma festa interminável. Portanto, espere ver em suas ruas muitos jovens, um amplo público gay e apreciadores de boa música.

Reserve ao menos três dias para apreciar bem o que a cidade e a região tem a oferecer, mas o ideal seriam cinco. Além de aproveitar a noite, com bares e muita música, por aqui você curtirá uma arquitetura de DNA europeu, alguns bons museus, um passeio de barco a vapor pelo rio Mississippi, jogos dos times locais de futebol americano New Orleans Saints e de basquete New Orleans Hornets ou fazer passeios de um dia pelas plantações históricas ou pântanos da região, incluindo o Parque Nacional Jean Lafitte, ao sul.

Como Chegar

Aéreo

Não há voos diretos entre o Brasil e Nova Orleans. Todas as grandes companhias norte-americanas que servem o Brasil — American Airlines, Delta e United — voam até lá com uma conexão em cidades como Atlanta, Dallas ou Miami.

O destino final costuma ser o Aeroporto Internacional Louis Armstrong (MSY, www.flymsy.com). De seus terminais ao centro da cidade você pode tomar vários tipos de transporte:

– Táxi: US$ 33 para uma ou duas pessoas até o CBD (Central Business District) ou US$ 14 por pessoa para mais de três passageiros. Podem cobrar por bagagens extras.

– Airport Shuttle: vans que custam a partir de US$ 20 por pessoa, com destino aos hotéis do CBD. Detalhes em www.airportshuttleneworleans.com.

– Transporte público: há alguns ônibus que vão até a região central da cidade. É o meio barato (US$ 2), mas não vai até a porta de seu hotel.

Terrestre

O principal centro de transportes da cidade é o Union Passenger Terminal, no CBD. Daqui saem e partem ônibus da Greyhound (www.greyhound.com) e trens da Amtrak (www.amtrak.com), com destino a Nova York, Chicago ou Washington DC.

Como Circular

Boa parte dos turistas circulará entre o CBD e o French Quarter, então a forma mais barata e conveniente de transporte serão os bondinhos streetcar. São três linhas e cada viagem custa US$ 1,25. Bilhetes de 1, 3 e 5 dias com viagens ilimitadas saem por $5, $12 e $20, respectivamente.

Há ainda a alternativa de tomar os ônibus da RTA (www.norta.com), bater muita perna no French Quarter ou simplesmente alugar uma bicicleta. Nem pense em alugar um carro: estacionamentos são escassos e, a não ser que você vá para os pântanos da região ou a Baton Rouge, são um verdadeiro estorvo.

O que Fazer 

As opções de o que fazer em New Orleans – Louisiana comecam no French Quarter, com o espírito do Velho Mundo, arquitetura variada e uma elegância antiga. Dirija-se a Jackson Square, um espaço para desfiles militares do século XVIII que hoje em dia reúne músicos de rua, rainhas do voodoo, videntes, artistas, historiadores e turistas. Em um mundo de atrações criadas pelo homem, o French Quarter é sem dúvida autêntico.
Não é uma atração turística fabricada – são 120 quarteirões da cidade com a vida real. Ele tem mais prédios na lista do Registro Nacional de Lugares Históricos do que qualquer outra cidade dos Estados Unidos. O lugar mais refinado e elegante do French Quarter, cenário da cultura artística local, é sem sombra de dúvidas a Royal Street, com seus hotéis internacionais, restaurantes, butiques, galerias coloridas e joalheirias.

Passeie pelas galerias e lojas de antiguidade nessa famosa rua, no outro lado da Jackson Square que, por si só, já vale uma visita, passando pela estátua de Andrew Jackson que fica no meio de um jardim muito bem aprumado e uma mistura colorida de artistas de rua, pintores e músicos nas calçadas. A Rue Royal, a um quarteirão da praça, costuma ser chamada a rua mais cara do mundo, que pode parecer um pouco exagerado já que essa rua tão pitoresca não intimida ninguém. Porém, quando olhar as vitrines um pouco mais de perto, você vai encontrar não só objetos próprios da realeza, mas que, na verdade, já foram possuídos por reis ou rainhas! E não esqueça que essa é uma zona “tax free”, ou seja, os turistas internacionais conseguem o reembolso dos impostos de vendas. O processo de reembolso é fácil, descubra mais no www.louisianataxfree.com.

Para compras mais acessíveis, nenhuma viagem a Nova Orleans está completa sem uma parada no French Market. Esse mercado ao ar livre é uma figura carimbada de Nova Orleans, onde as mais antigas feiras de agricultores do país se união com a ideia de um mercado de pulgas. Aqui você encontra de tudo, desde alimentos frescos e comidas autênticas preparadas e bebidas, a souvenirs e joias exclusivas.

Gastronomia

Muita gente vem a Nova Orleans esperando provar a famosa gastronomia cajun. Certamente você encontrará uma oferta com especialidades como a linguiça boudin, a clássica jambalaya e o tenro ensopadão gumbo, mas a cozinha predominante na cidade é a creole. Apesar de muitos pratos serem semelhantes (como a própria jambalaya), suas raízes são distintas e os modos de preparo um tanto mais sofisticados. Com influências que são a própria cara da cidade, espanhola, francesa e africana, virão à mesa pratos como a lagosta e o camarão creole, o crawfish etouffee (lagostim) e as ostras rockefeller. Ou seja, muitos frutos do mar, temperos maravilhosos (e quentes) e personalidade.

Como boa parte das principais atrações está no French Quarter você não terá como escapar dos restaurantes mais “turísticos”. Com cardápios com pratos clássicos e preços razoáveis, não deixam de ser uma boa opção. Se quiser um pouco mais de sofisticação e preparos mais modernos, tente algumas boas casas no Central Business District, Uptown e Middle. Um lugar bem bacana a ser explorado é a Harrison Avenue, em Lakeside, mais próximo ao lago Ponchartrain. New Orleans, nos EUA, tem a melhor comida dos Estados Unidos. Não existe melhor lugar para se conectar com a cultura através da culinária no que na “Big Easy”, como a cidade também é chamada.

 

Nova Orleans é a cidade de vários heróis culinários reconhecidos internacionalmente, que são encorajados por locais e pelos visitantes a experimentar coisas novas na cozinha e servir alguns dos pratos criativos mais singulares do mundo. Os pratos de assinatura franceses, cajun e “creole” são apenas o topo do menu. Não deixe de explorar as ofertas de outras culinárias, incluindo a latina, mediterrânea, asiática e italiana, que dão às preparações tradicionais com uma variedade incrível de especiarias, produtos e mariscos do Sul da Louisiana.

Outra lenda da gastronomia de Nova Orleans, Pat O’Brien, é um lugar popular para se divertir. Prove o delicioso “hurricane” (famoso coquetelde rum com suco de fruta) e faça um duo com o pianista no piano bar. Você também não pode esquecer do restaurante histórico Napoleon House. Diz a lenda que o prédio seria a residência de Napoleão Bonaparte depois de seu exílio da França. Agora é um lugar maravilhoso para comer e beber, com opções como os sanduíches muffaletta, o jambalaya e o gumbo. Além disso, a decoração histórica fascinante e o quintal com espaço ar livre melhoram são um plus para sua diversão.

Por último, não deixe de dar uma paradinha no Café Du Monde, para outra verdadeira delícia de Nova Orleans. Você pode ter que fazer fila, mas o French Quarter é o lugar perfeito para ver as pessoas passando enquanto você espera – e vai valer a pena quando você tiver em suas mãos um delicioso “beignet” e um “café au lait”.

Onde Ficar

O French Quarter é o lugar óbvio para muita gente. Próximo das principais atrações turísticas, clubes de música e restaurantes, é uma escolha correta. Verifique somente se não fica numa rua muito movimentada, pois o barulho até altas horas pode incomodar um pouco em certas épocas do ano. Isso vale especialmente para as acomodações mais em conta. O Central Business District conta com alguns hotéis sofisticados, próximos a áreas com bons serviços.

Q&C

Este hotel boutique histórico fica a menos de 1,6 km do animado Bairro Francês de Nova Orleans. O interior do Q&C é composto por paredes originais de tijolinho, piso de madeira, móveis europeus e obras de arte. Todos os quartos do hotel possuem TV a cabo e telefone. Também incluem comodidades para passar roupas e banheiro privativo com secador de cabelo.


Wyndham New Orleans French Quarter

Os quartos do Wyndham New Orleans French Quarter estão equipados com TV a cabo e mesa de trabalho com cadeira ergonômica. Além disso, todos os quartos são para não fumantes, e o serviço de quarto está à sua disposição. Situado a menos de 5 minutos a pé da famosa Bourbon Street no quarteirão francês, este hotel oferece WiFi gratuito e restaurante no local.

O Wyndham New Orleans French Quarter oferece piscina coberta aquecida e academia no local. Outras comodidades práticas incluem lavanderia self-service e um business center no saguão. Você pode aproveitar o restaurante do local, o Deuce McCallister’s, que serve pratos da cozinha local, lanches de pub e coquetéis especiais em um ambiente casual. A apenas 1.6 km do local, você encontra o Centro de Convenções Morial e o Mercedes-Benz Superdome, casa do time de futebol americano Saints. O Distrito Empresarial Central é uma ótima escolha para viajantes interessados em passeios, vida noturna e cultura.

Hilton New Orleans Riverside 

Este hotel contemporâneo está situado ao longo do rio, em Nova Orleans, a poucos passos do Riverwalk Marketplace, que oferece mais de 140 lojas e restaurantes. A propriedade dispõe de comodidades de última geração e ótimos restaurantes. O Hilton New Orleans possui um clube de saúde e bem-estar de 8.361 m², que apresenta quadras de tênis, squash e academia com halteres e equipamentos aeróbicos. O hotel oferece 2 lojas de presentes, incluindo o Crescent City Marketplace, que conta com sanduíches e saladas gourmet.

Você pode desfrutar de WiFi gratuito, café do Starbucks e itens de confeitaria no River Blends Cafe, localizado no saguão do Hilton Riverside. O Drago’s Seafood serve especialidades de frutos do mar, incluindo ostras grelhadas. Além disso, o Le Croissant Express Dining oferece pratos tradicionais no café da manhã. O Distrito Empresarial Central é uma ótima escolha para viajantes interessados em passeios, vida noturna e cultura.

Compras 

De souvenirs “kitsch” até arte do mais alto nível mundial, Nova Orleans é perfeita para uma terapia de compras para cada ocasião. Compre arte e antiguidade na Royal Street, moda descolada e artigos de coleção na Magazine Street, além de lembranças e artesanatos no French Market e no Frenchmen Art Market.

O ícone da cidade, a flor de lis, decora de joias até as chapas das máquinas de fazer waffle. Você com certeza vai achar algo que não sabia que precisava. Para compras livres de impostos, lembre-se de mostrar seu passaporte e pedir um voucher de devolução de impostos quando fizer a compra. Pegue seu reembolso no Aeroporto Internacional Louis Armstrong, no The Riverwalk Shopping Center ou na Macy’s do Lakeside Shopping Center.

Fontes

http://viajeaqui.abril.com.br/cidades/estados-unidos-nova-orleans

http://www.discoveramerica.com.br/usa/states/louisiana/cities/new-orleans.aspx

http://www.discoveramerica.com.br/usa/experiences/l/louisiana/new-orleans-dining-shopping.aspx

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado