Salvador – Bahia

A História de Salvador

A história do Brasil teve início na Bahia. Salvador foi a primeira capital do país até o ano de 1763 chamada na época de sua fundação por “São Salvador da Bahia de Todos os Santos”, a cidade passou a ser descoberta pelos colonizadores no ano de 1510, quando um navio francês naufragou em terras baianas, trazendo a bordo um dos mais importantes personagens históricos da colonização baiana, Diogo Álvares conhecido como Caramuru. Juntamente com a índia Paraguaçu, Caramuru desempenhou importante papel dentro da história da colonização da Bahia. Por volta de 1536 o rei de Portugal Dom João III dividiu as terras brasileiras em Capitanias Hereditárias. Os donos das Capitanias eram chamados de donatários e Francisco Pereira Coutinho ganhou parte do território de Salvador, fundado na época como “Arraial do Pereira”. Coutinho teve o comando do Arraial, mais tarde batizada de “Vila Velha” até 1549 na ocasião da chegada de Tomé de Souza, o primeiro governador geral do Brasil. Juntamente com Tomé de Souza desembarcaram em Salvador seis embarcações com uma comitiva de aproximadamente 10 mil pessoas para fundar sob ordens do rei de Portugal, a cidade de “São Salvador”. Após o governo de Tomé de Souza, governaram o país Duarte da Costa e Mem de Sá, que teve o comando do país até 1572.

Neste período a Bahia era a região que mais exportava açúcar, considerado na época o produto mais exportado do país. A fama e a riqueza da província baiana despertaram a cobiça de outros países no início do século 17. Nestes tempos Portugal estava unido com a Espanha, colocando várias restrições ao Brasil como, o impedimento do país em firmar relações comerciais com a Holanda. Este fato ligado a riqueza desencadeada pela exportação do açúcar, fez com que a Holanda resolvesse invadir a Bahia. Uma esquadra comandada pelo holandês Jacob Willekens chegou às terras baianas em 1624 com 26 navios, neste período foi construída em Morro de São Paulo a Fortaleza de Tapirandu, uma importante estratégia para defender a Baía de Todos os Santos. Os invasores holandeses ocuparam Salvador e permaneceram por cerca de um ano até serem expulsos pela força luso-espanhola.
Salvador foi capital e sede da administração colonial do país até o ano de 1763 quando a sede do império foi transferida para a cidade do Rio de Janeiro. Apesar da mudança da sede da Coroa Salvador continuou a se destacar dentro do cenário de colonização do país e anos depois na fase de independência do Brasil, em 1822 a capital baiana protagonizou uma luta que se arrastou por mais de um ano mesmo após o Brasil ficar independente de Portugal. Somente no dia 2 de julho de 1823, a Bahia pôde comemorar a independência brasileira. Em 16 de novembro de 1889 foi proclamada a República na Bahia pelo coronel Frederico Cristiano Buys. O primeiro governador eleito baiano foi Joaquim Manuel Rodrigues Lima (1892-1896).

Após veio a administração de Luís Viana (1896-1900), quando ocorreu um dos mais marcantes episódios baianos, a guerra de Canudos. De 1908 a 1911 a Bahia foi governada por João Ferreira de Araújo Pinho, que teve que renunciar ao mandato antes do término devido a uma crise política desencadeada neste período, na ocasião Joaquim Seabra ministro da Viação no governo de Hermes da Fonseca, governou o estado baiano até 1916. O governo de Seabra foi marcado pela urbanização da cidade de Salvador. No ano de 1920 Seabra tentou eleger-se novamente mas sofreu uma forte oposição. Em 1920 o governo brasileiro decretou a intervenção no estado e os anos seguintes foram marcantes em territórios baianos e brasileiro devido acontecimentos mundiais como a Segunda Guerra Mundial.

Cultura

Pátria da diversidade cultural, a Bahia apresenta o seu tabuleiro de roteiros turísticos e viagens por dentro da História do Brasil. De igrejas seculares ao artesanato típico das cidades do interior, da crença diversificada de seu povo mestiço aos mitos e ritos do folclore local, o estado se abre em um verdadeiro mosaico de atrativos para quem deseja desvendar a Bahia em toda a sua graça e poesia.

Terra dos orixás, patuás e babalorixás; Terra de culto a Todos os Santos; a Bahia é também a Terra de todos os ritos e mitos. As diversas expressões folclóricas ostentam a riqueza do imaginário popular, rodas de samba, Puxadas de Mastro, Capoeira, Terno de Reis, Bumba-meu-boi, Afoxé e tantas outras colorem, animam e exibem a fé inabalável do baiano por toda a capital e interior. Um mosaico de festejos e celebrações às crenças de origem africana, indígena e portuguesa, ao tempero singular da baianidade.

Principais pontos turísticos

O que não falta em Salvador são lugares para conhecer. O novo e o antigo estão em harmonia na cidade e proporcionam ao turista um verdadeiro leque de opções. Como grande parte dos pontos turísticos ficam próximos ao mar, além do belo visual você pode aproveitar para desfrutar do pôr do sol ao fim do dia.

Elevador Lacerda

Um dos principais pontos turísticos e cartão postal da cidade, este equipamento urbano fica na Praça Cayru no bairro do comércio próximo ao Mercado Modelo e liga a Cidade Baixa à Cidade Alta. Foi construído pelo engenheiro Augusto Frederico de Lacerda, sócio do irmão o comerciante Antônio Francisco de Lacerda, idealizador da Companhia de Transportes Urbanos. As obras foram iniciadas em 1869 e com os dois elevadores hidráulicos funcionando em dezembro de 1873 ocorreu a inauguração, com o nome de Elevador Hidráulico da Conceição da Praia. Popularmente conhecido como Elevador do Parafuso, posteriormente seria renomeado como Elevador Lacerda (1896).

Após a sua inauguração passou a ser o principal meio de transporte entre as duas partes da cidade. Inicialmente operando com duas cabines, atualmente funciona com quatro modernas cabines eletrificadas que comportavam vinte passageiros cada. Ao longo de sua história passou por quatro grandes reformas e revisões:

• em julho de 1906 para a sua eletrificação;
• em 1930 adicionaram-se mais dois elevadores e uma nova torre;
• no início da década de 1980 houve uma revisão na estrutura de concreto;
• em 1997 foi feita a revisão de todo o maquinário elétrico e eletro-eletrônico.

Foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 7 de dezembro de 2006. Do alto de suas torres descortina-se a vista da Baía de Todos os Santos e do famoso Mercado Modelo.

Abaeté

A lagoa de água escura cercada de dunas de areia branca, imortalizada pelas canções de Dorival Caymmi é a grande atração de Itapoã. Um dos mais conhecidos cartões-postais da cidade a Lagoa do Abaeté, resulta do represamento de antigos rios que corriam na região e do acúmulo de água de chuva. Uma curiosidade é que a água tem temperatura diferente em vários trechos, resultante de correntes que não se misturam. A profundidade chega aos cinco metros e a coloração escura é determinada pelos minerais e micro-organismos presentes em toda a extensão da lagoa. As dunas são formadas pelo acúmulo de areia vinda da Praia de Itapoã e adjacências foram emolduradas com o passar do tempo por uma cobertura vegetal, essa vegetação desempenha um importante papel na preservação da flora local e entre as espécies mais encontradas estão orquídeas (algumas de espécies raras) e árvores frutíferas como goiabeiras e cajueiros. A área de Proteção Ambiental desde 1987,é um dos maiores centros de lazer ecológico do Nordeste.


O Parque do Abaeté ocupa uma área de 400 hectares e desde que foi criado em 1993 passou a ser um importante pólo de lazer ecológico de Salvador. A área urbanizada quase metade do total do parque, reúne atrativos naturais e culturais como Casa da Música, lanchonetes, restaurantes, lojas de artesanato, playground e 17 quiosques para a venda de coco e de comidas típicas. Na Casa da Música da Bahia estão reunidos documentos que contam a história da música baiana em acervos de música, vídeo, fotos, livros e instrumentos musicais. Logo na entrada quem recebe os visitantes é a “fobica”, utilizada por Dodô e Osmar na criação do trio elétrico, decorada como na época.

Dique do Tororó

É uma lagoa artificial limitada atualmente pelo bairro do Tororó em sua margem esquerda, pelo do Engenho Velho de Brotas em sua margem direita, ao Norte pelo Estádio Octávio Mangabeira, conhecido por Fonte Nova e ao Sul pelo bairro do Garcia. É margeado pelas avenidas Presidente Costa e Silva e Vasco da Gama – que ao Sul convergem para a avenida Centenário e o Vale dos Barris.

Esse é o único manancial natural de Salvador, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional que possui uma lagoa de 110 mil metros quadrados. O espaço preferido para os amantes do esporte tem pista de cooper, raias para a prática do remo, decks para a pesca, piers para pequenas embarcações, equipamentos de esportes e ginástica, playgrounds, além do Centro de Atividades e da Praça de Eventos. O centro possui ainda restaurantes e estacionamento com 150 vagas. A praça tem um palco flutuante para a realização de shows e espetáculos. No meio da lagoa, esculturas de diversos Orixás complementam a beleza da região e marcam o sincretismo religioso da cidade.

Farol da Barra

A imagem do Farol da Barra talvez seja ao lado do Elevador Lacerda uma das mais conhecidas em Salvador, mesmo quem nunca esteve na capital baiana é capaz de identificar em uma foto de cartão postal o monumento e sua localização e se a Bahia começou em Santa Cruz de Cabrália, Salvador nasceu na Barra. Foi lá que o navegador Américo Vespúcio descortinou em 1501 a Bahia de Todos os Santos, a posse foi oficializada com a colocação do marco da coroa portuguesa, onde hoje estão localizados o Forte e o Farol da Barra. A vocação turística de Salvador já se fazia presente naquele momento.


No século XVII, o porto de Salvador era um dos mais movimentados e importantes do continente e era preciso auxiliar as embarcações que chegavam à Baía de Todos os Santos em busca de pau-brasil e outras madeiras de lei, açúcar, algodão, tabaco e outros itens para abastecer o mercado consumidor europeu.

No fim desse século após o trágico naufrágio do Galeão Santíssimo Sacramento capitânia da frota da Companhia Geral de Comércio do Brasil, num banco de areia frente à foz do rio Vermelho a 5 de maio de 1668, o Forte de Santo Antônio da Barra foi reedificado a partir de 1696 durante o Governo Geral de João de Lencastre (1694-1702), vindo a receber um farol, um torreão quadrangular encimado por uma lanterna de bronze envidraçada alimentada a óleo de baleia de acordo com o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia o primeiro do Brasil e o mais antigo do Continente (1698) quando passou a ser chamado de Vigia da Barra ou de Farol da Barra.

Itapoa

Em Tupi Guarani Itapoã quer dizer “pedra que ronca”. Conta a história que uma pedra roncava na praia de Itapoá sempre que a maré estava vazante e isso acabou dando origem ao nome ao bairro um dos mais famosos de Salvador. No início da década de 50 Itapoã era apenas uma colônia de pescadores em uma região afastada do centro de Salvador, a praia passou a ser ponto de veraneio predileto dos soteropolitanos e hoje é um dos bairros mais populosos e populares da capital baiana.

Localizada numa espécie de enseada de águas claras, Itapoã tem o mar calmo e areias enfeitadas por coqueiros e tem coisas que só acontecem lá. Segunda- feira, por exemplo, é dia de reunir os times de futebol da vizinhança para aquele show de bola o tradicional Baba da Ressaca reúne logo na manhã seguinte ao agitado domingo, jogadores selecionados entre os moradores do bairro sendo mais um ponto de encontro da comunidade do bairro, os times se enfrentam na Associação dos ex-combatentes para curar a ressaca de domingo.

Ponta de Humaitá

Mais um paraíso da Baía de Todos os Santos, a Ponta de Humaitá fica num dos locais mais bonitos da Cidade Baixa com cenários naturais e históricos, de lá você tem uma vista privilegiada de Salvador da Ilha de Itaparica, além de poder curtir no finalzinho da tarde aquele pôr-do-Sol no pátio que invade o mar, tem uma igrejinha, um convento e um farol de onde temos uma das mais poéticas paisagens marinhas da Baía de Todos os Santos.

Pelourinho

A história do Pelourinho se confunde em muito com a história da própria cidade de Salvador, no melhor ponto para a construção da “cidade fortaleza” o hoje chamado Pelourinho local ideal de suas pretensões.

As razões que levaram a escolha do Pelourinho são bastante claras é a parte mais alta da cidade, em frente ao porto, perto do comércio e naturalmente fortificada pela grande depressão existente que forma uma muralha de quase noventa metros de altura por quinze quilômetros de extensão, o que facilitaria a defesa de qualquer ameaça vinda do mar.
Em poucos anos Tomé de Souza construiu uma série de casarões e sobrados na parte superior dessa muralha, todas inspiradas evidentemente na arquitetura barroca portuguesa e erguidos com mão de obra escrava negra e indígena. Para dar maior proteção à cidade o Governador Geral limitou o acesso a apenas quatro portões, estes totalmente destruídos durante as tentativas sem sucesso de dominação da cidade no séc. XVII, na verdade o termo “pelourinho” é o nome dado ao local onde os escravos eram castigados pelos senhores de engenho. O “pelourinho” era construído nos engenhos afastado da cidade, a fim de demostrar à população sua força e poder, os senhores de engenho resolveram construir um “pelourinho” no centro da cidade instalando-o no largo central, hoje área localizada em frente a casa de Jorge Amado, a partir daí os escravos eram castigados em praça pública para que todos pudessem assistir tal demonstração de poder, devido a esse fato o “pelourinho” virou ponto de referência da cidade dando nome ao antigo centro da cidade e hoje Centro Histórico de Salvador. Com o passar dos tempos, o nome Pelourinho se popularizou, tanto na Bahia quanto no Exterior, passando a referir-se a toda a área do conjunto arquitetônico barroco-português compreendida entre o Terreiro de Jesus e a Igreja do Passo. Durante o séc. XVI e até o início do séc. XX, o Pelourinho foi o bairro da aristocracia soteropolitana, composta de senhores de engenho, políticos, grandes comerciantes e o clero, por isso a forte influência européia na sua arquitetura e o grande número de igrejas num espaço geográfico tão pequeno e certamente o mais antigo da cidade.

Foi justamente nessa época que o poder político da cidade concentrava-se nesse local que ainda tem monumentos como a Câmara Municipal, sede da Prefeitura, a Assembleia Legislativa e a sede do Governo do Estado. Porém, hoje em dia, apenas a Câmara e a Prefeitura continuam com suas sedes no Centro Histórico.

Mercado Modelo

O prédio de propriedade da Prefeitura de Salvador, reproduz formas neo-clássicas consagradas da segunda metade do século XIX e é tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. É cercado pela praça Cairu, Elevador Lacerda, armazéns das Docas, edifícios comerciais e um pequeno ancoradouro, conhecido como Rampa do Mercado Modelo, onde ainda aportam saveiros. Há poucos anos no subsolo do Mercado, foram descobertos túneis sustentados arcadas, antes utilizados como refúgio contra os invasores estrangeiros. O local fica abaixo do nível do mar e por isso está constantemente alagado.

Mesmo quem nunca veio a Salvador conhece o Mercado Modelo,  pelo menos de nome, muitos ainda conhecem a imagem de cartão postal do belo prédio amarelo. Parada obrigatória para quem visita a capital baiana, o local é um dos cinco pontos turísticos mais visitados de Salvador. A rampa, que serve de ponto de venda de peixes, é citada em pelo menos três livros de Jorge Amado: Mar Morto (1936), A Morte e a Morte de Quincas Berro Dágua (1961) e O Sumiço da Santa (1988). O espaço funciona todos os dias da semana das 9h às 19h. Aos domingos e feriados o fechamento é mais cedo, às 14h.

Igreja do Bonfim

A construção deste santuário de peregrinação teve início em 1740 por Teodório Rodrigues de Faria, capitão da Marinha Portuguesa. Situada na única colina da península de Itapagipe, a Igreja do Bonfim está praticamente concluída em 1754, sendo do ano seguinte a fundação da Irmandade.

A praça em sua frente é delimitada em dois lados por conjuntos de casa de romeiros, construídas pela Irmandade no século XIX. A planta da igreja é do tipo comum no início dos setecentos, com nave e coro ladeada por corredores e tribunas superpostas, apresentando capela-mor flanqueada pela sacristia e sala de ex-votos. Em alvenaria de pedra e tijolo, o edifício possui pórticos em arcada ao longo da nave, uma transição entre os avarandados do século XVII e os corredores laterais do XVIII.

Sua fachada, praticamente revestida de azulejos brancos portugueses de 1873, possui duas torres em bulbo do final do século passado, quando se dão modificações no frontispício. Seu interior possui decoração neoclássica, onde se destaca a pintura do teto da nave de autoria de Franco Velasco, de 1818/1802. É sede de uma das mais tradicionais devoções da Bahia.

Praias

A primeira capital do Brasil é considerada a cidade mais agitada do Nordeste. Famosa pelo seu carnaval conhecido internacionalmente, movido pelos agitados trios elétricos e blocos característicos, também apresenta praias lindíssimas, recheadas de muita hospitalidade, acarajé, história e cultura.

Médias de temperatura:

As temperaturas variam de 21°C a 30°C durante o ano. Meses mais quentes: média de 27°C de janeiro a março. Meses mais frios: média de 24°C de junho a agosto.

Praia Villas do Atlântico

A praia fica no município de Lauro de Freitas, na grande Salvador. Tem o mesmo nome do condomínio que fica de frente para a praia, o condomínio  ‘’Villas do Atlântico’’ é bem conhecido em Salvador.

A praia é pouco frequentada durante a semana, porém fica muito movimentada nos finais de semana. Ela possui uma ótima infraestrutura com muitos quiosques.

A areia é fina e tem muitas pedras, embora não se forme piscinas naturais. Pratica-se o surf nas boas ondas de Villas do Atlântico, inclusive um trecho da praia é conhecido localmente por praia dos surfistas.

Praia do Cristo

A praia do Cristo fica localizada entre a praia da Barra e a praia de Ondina. É assim conhecida por ter uma estátua do Cristo posicionada no alto de um pequeno morro.

Ela não é muito frequentada, sendo assim bastante tranquila. Possui muitas pedras e piscinas naturais, com a areia da praia fina de extensão pequena. A praia é muito bonita e vale a contemplação.

Na praia do Cristo não há barracas ou quiosques. De frente à praia existe o Centro Espanhol, um centro recreativo com uma excelente vista da praia.

Praia Porto da Barra

Praia pequena e própria para banho. Possui águas calmas e transparentes, boa para a prática de esportes náuticos, nos finais de semana ela fica bem movimentada.

Ela proporciona uma visão para a Baía de Todos os Santos e é um ótimo lugar para se apreciar o pôr-do-sol.

Praia do Flamengo

Praia reta, com coqueiros e muito frequentada, com boas barracas de praia. A areia é amarelada e o mar tem recifes e ondas fortes, boas para o surfe.

Praia de Stella Maris

A praia de Stella Maris é muito procurada por surfistas, tem ondas fortes e recifes. Na praia encontra-se barracas de praia com infraestrutura e bastante movimento. As ondas atraem além de surfistas, bodyboard e praticantes de jet sky.

Praia de Itapuã

Esta praia já foi cantada por artistas como Vinícius, que imortalizou a poesia musical de Dorival Caymmi. Ela é uma das mais bonitas com seus pescadores e jangadas e certamente a mais famosa da capital baiana.

O nome Itapuã significa em Tupi “ponta de pedra” ou “pedra que ronca”. Antigamente existia no local uma pedra que roncava na maré vazante antes de se partir. Itapuã tem o mar verde, com águas limpas protegido por arrecifes. Suas areias são claras, há muitas barracas e é cercada por coqueiros.

Antigamente os pescadores da vila local praticavam pesca de baleia para utilizar o óleo refinado na ilumiação pública. A estátua da Sereia de Itapuã está na parte mais antiga da praia, nela fica o farol de Itapuã e é procurada para a prática de windsurf.

Praia de Piatã

Praia muito bonita, a areia é amarelada, águas calmas e as ondas são fracas, possui uma área grande de coqueiros, é  boa para banho e esportes náuticos. Piatã é muito badalada, tem muitas barracas e lota nos finais de semana.

Praia de Jaguaribe

Localizada ao norte da cidade, distante 18km do centro, entre as praias de Piatã e Patamares.

Jaguaribe é uma das praias mais frequentadas por turistas, principalmente na alta temporada. Fica também muito movimentada pela presença dos moradores e de surfistas, a água é limpa e possui barracas de praia.

Praia da Boca do Rio

Está na sua maioria poluída infelizmente, a Boca do Rio também é conhecida por Praia dos Artistas, isto porque na década de 1970 era muito frequentada por artistas e tinha um espírito boêmio, hoje em dia mantém ainda um certo charme em algumas barracas que tentam manter o espírito.

Praia Jardim de Alá

Infelizmente esta praia já está poluída. Ela possui mar agitado, areia de uma coloração amarelada e muitos coqueiros onde turistas recebem massagens, na orla tem também algumas barracas.

Praia Jardim dos Namorados

A praia Jardim dos Namorados também é conhecida pelo nome de “Chega-Nego”. Uma boa infraestrutura de lazer é encontrada aqui, com quadras poliesportivas, barracas, gramado, área para crianças e outros. Para tomar banho tem que se tomar cuidado com as pedras que estão no mar.

Praia da Pituba

No bairro de Pituba fica a Praia de Pituba, um dos locais mais populosos de Salvador.Está localizada a cerca de 10km do centro da capital baiana. Muito frequentada pelos moradores do bairro, ficando bem movimentada. Entretanto não é recomendável para banhos por estar poluída.

Praia de Amaralina

Praia distante 13km do centro de Salvador. Nesta praia sente-se um cheiro característico de algas, iodo e da maresia. Ela possui diversas barracas onde a venda de acarajés faz parte da cultura de Amaralina.

Praia do Rio Vermelho

Rio Vermelho serve de atracadouro a barcos de pesca. Infelizmente é mais uma praia que ficou poluída. Na praia tem algumas pedras e ela é dividida em outras pequenas praias,são elas: Paciência, Mariquita e Santana. Desta no dia dois de fevereiro partem os barcos com oferendas a Iemanjá.

Praia do Farol da Barra

Esta praia é local de grandes comemorações na cidade de Salvador, é um dos pontos onde passa os trios elétricos no carnaval. O Forte de Santo Antônio e o Farol ficam nesta praia.

Farol da Barra conta com muitos bares e restaurantes e o mar tem pedras e ondas fortes.

Praia da Boa Viagem

Esta praia está localizada na Cidade Baixa, distante cerca de 12km ao sul do centro. Da Boa Viagem se tem uma linda vista de Salvador, antigamente era utilizada para desembarque de mercadorias.

Praia da Gamboa

Distante pouco mais de 1km do centro da cidade, esta praia está abaixo da Av. Contorno.

Praia da Ribeira ou da Penha

Fica na Cidade Baixa, há cerca de 13km ao sul do centro da cidade. Oferece uma magnífica vista de casarões antigos e ilhas.

Ilhas de Salvador

Ilha de Maré

Está localizada no centro da Baía de Todos os Santos, próxima do Porto de Aratu, para chegar toma-se barcos a partir de Salvador, na Praia de São Tomé de Paripe ou Terminal Marítimo. Os barcos partem de hora em hora e o trajeto é de cerca de 30min.
Suas principais praias são: Itamoabo, das Neves, Praia Grande, de Santana e do Botelho ou Oratório de Maré.
Esta belíssima ilha formada por pequenos vilarejos é rica em vegetação mas não possui água doce. Em suas casas rendeiras confeccionam peças em renda de bilro e artesanato tradicional na região. Os moradores são principalmente pescadores e artesãos. Há ainda algumas casas de veraneio à beira-mar.

A Praia de Itamoabo que possui águas transparentes e com temperatura morna,  é o ponto de chegada das procissões marítimas. Há ainda a formação de piscinas naturais, oferece gostosos banhos de mar e prática de esportes aquáticos, possui larga faixa de areia, neste povoado de Itamoabo está a Igreja de Santana, do século XIX.

A Bacia ou Praia das Neves fica ao sul da Praia de Itamoabo e sedia a Capela de Nossa Senhora das Neves, do século XVI de estilo colonial. Suas águas são calmas, ótimas para mergulho e esportes aquáticos, com formações rochosas nas areias.

Distante 1km da Praia das Neves fica a Praia do Botelho, também conhecida como Oratório da Maré, com constante presença de embarcações particulares e de turismo, que partem de Salvador e seguem até um restaurante, oferece uma belíssima vista panorâmica da Baía de Todos os Santos.

Ilha dos Frades

Fica praticamente no centro da Baía de Todos os Santos, com cerca de 6km de extensão.

Uma lenda que conta que este nome foi dado à ilha devido a frades que teriam sido assassinados por índios depois de tentar catequizá-los no local. Possui lindíssimas paisagens mesmo sendo muito pequena.

É considerada reserva ecológica, possuindo a forma de uma estrela de 15 pontas, com lindas praias, montanhas, coqueirais, cachoeiras e mata nativa, inclusive pau-brasil.

Vida Noturna em Salvador

A vida noturna em Salvador é muito diversificada e alegre, com programas para todos os gostos e bolsos. O cenário musical é muito variado, apesar de ter a fama de ser a cidade do axé, também é berço de várias bandas e festivais de rock alternativo do Brasil e atualmente sua cena eletrônica figura entre as melhores do país.

Se você gosta de festejos ao ar livre, poderá fazer uma caminhada no Pelourinho ou descobrir onde há algum ensaio dos blocos da cidade. Esse tipo de evento acontece na rua e qualquer pessoa pode participar. Em Salvador você encontrará muitas festas grátis em plena rua!

Em Salvador a noite começa cedo, por volta das oito horas da noite os barzinhos já começam a encher. Uma boa pedida é ir até um bar ou como dizem os baianos “fazer o aquecimento”, localizado num píer com vista para a baía de Todos os Santos ou seguir direto para o Rio Vermelho, reduto de artistas e boêmios com seus vários bares, barracas de acarajé, muita paquera e entretenimento. Depois daí as pessoas vão para alguma boate ou festa até altas horas da noite. Quando acaba a noite é hora de ir para os lugares que vendem deliciosa comida típica baiana para revigorar-se antes de ir para a casa.

Café Cancun

O Café Cancun, localizado no shopping Aeroclube Plaza Show é um restaurante que funciona para o almoço, happy hour e jantar e a partir das 22h como boate. Após o jantar em uma atmosfera divertida e com excelentes DJs você poderá desfrutar até altas horas, você poderá dançar ao ritmo de música brasileira, caribenha, flash back, sertaneja, axé, pop e música eletrônica com os melhores DJs nacionais e internacionais..

Club Lotus

Club Lotus é uma franquia de uma luxuosa boate de Nova York instalada num edifício de estilo neoclássico, conta com três ambientes e é considerada uma das melhores boates de Salvador por sua excelente música que vai desde o house e electro house até a Black music e hip-hop.

Dolce

Localizada dentro de um shopping no bairro Itaigara é inspirada nos clubes londrinos com um toque retrô, é considerada uma das melhores boates da cidade, possui design moderno já que foi projetada por um famoso arquiteto que priorizou a integração dos ambientes. Seu estilo musical e eclético, com excelentes DJs, shows e música ao vivo.

Madrre

A boate Madrre é uma mistura do clássico com o moderno e conta com uma bonita decoração, possui palco para shows em formato de arena com pista de dança, camarote e mezanino com lounge e uma área para festas corporativas que podem se integrar perfeitamente. É famosa em Salvador porque sempre apresenta bons DJs nacionais e internacionais e shows de primeira categoria.

Borracharia

É difícil acreditar, mas o local funciona realmente como uma borracharia durante o dia, com cair da noite se transforma em um dos melhores lugares para curtir a música eletrônica na Bahia, com renomados e surpreendentes Djs, tem decoração com obras de artistas locais nas paredes, em esculturas e pinturas.

Boteco do França

Graças aos saborosos petiscos e a fama de ficar aberto até muito tarde o Boteco do França é muito famoso na cidade e oferece pratos deliciosos além da cerveja bem gelada onde você poderá ir para tomar algo antes da noitada.

Oferece petiscos variados, a música é muito diversificada pois tem DJ e bandas ao vivo.

The Twist Pub

Um dos mais conhecidos bares da cidade, seu ambiente é inspirado nos anos 60 e oferece palco, pista de dança, bar e mesas. Serve também deliciosos pratos, possui estilo musical que vai desde o pop rock até a música eletrônica pois há DJ e também shows.

O Cravinho

O Cravinho é um clássico do Pelourinho e sempre está cheio e animado. Está decorado com barris de madeira que conservam aproximadamente trinta misturas do gênero. Serve o tradicional “cravinho” em copo de plástico com canudo, que é uma bebida feita com cachaça, mel, cravo e limão e também deliciosas infusões e petiscos.

Bar do Pimentinha

Noitadas mais underground, esse bar localizado na Boca do Rio,é considerado uma excentricidade, funciona apenas na segunda-feira, porque o dono Pimentinha é devoto de São Lázaro e Omolu, o orixá do dia. Pra aumentar a proteção ele ainda faz questão de pessoalmente benzer os clientes na porta, a decoração é kitsh e esse bar realmente vale uma visita.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado