Rio de Janeiro

Nos últimos anos, a Cidade Maravilhosa não chamou a atenção apenas por seus célebres atrativos, que fazem dela a queridinha dos turistas. Em 2013, o Rio foi palco da Jornada Mundial da Juventude, que recebeu 3 milhões de peregrinos. Em 2014, foi a vez da final da Copa do Mundo – durante o torneio, a ocupação dos hotéis cariocas chegou a 97%. Além de ajudar o Brasil a se consagrar como anfitrião, a capital fluminense agora quer contrariar de vez os pessimistas, provando que pode organizar Jogos Olímpicos à altura de sua beleza. Os preparativos seguem a mil – o que infelizmente significa que alguns trechos viraram canteiros de obras (caso da zona portuária e de ruas da Zona Sul, como os arredores do metrô General Osório, em Ipanema). Mas se a cidade ainda não está perfeita para o maior evento esportivo do planeta, os banhos de sol na areia e as caminhadas no calçadão continuam valendo a visita.

 

Como chegar

Há dois aeroportos: o Santos Dumont, na região central, e o Internacional Antônio Carlos Jobim (ou Galeão), na Ilha do Governador, a 20 km do Centro. A partir do Galeão, a corrida de táxi até Copacabana custa, em média, R$ 65. Ônibus climatizados (conhecidos como “frescão”) ligam, a cada 30 minutos, o aeroporto ao Centro, à Zona Sul e à Barra da Tijuca por R$ 13,50. Os ônibus interestaduais chegam no Terminal Rodoviário Novo Rio, próximo à zona portuária e ao Centro. De carro, as principais vias de acesso são a BR-101 (para quem chega do Nordeste), a BR-040 (de Belo Horizonte) e a BR-116 (Via Dutra), para quem vem de São Paulo.

O Rio é uma cidade tão grande que permite que se chegue de maneiras inusitadas, como de navio. No geral, são muitas opções de transporte:  aviões e ônibus chegam o dia inteiro, das mais diversas cidades brasileiras.

O destaque, no entanto, fica por conta dos inúmeros voos que chegam aos dois aeroportos da capital carioca, e que constantentemente participam de grandes promoções das companhias aéreas.

Onde Ficar

Ao escolher o hotel em que você irá se hospedar tenha em mente que o Rio é uma cidade grande. Sendo assim, escolha a localização do hotel de acordo com as atividades que você quer fazer, para não perder muito tempo com deslocamentos e aproveitar melhor o dia.Saiba ainda que, por ser uma cidade turística, os hotéis ficam lotados na alta temporada e os preços sobem. Mas em geral a hospedagem é cara o ano todo. Não deixe para reservar hotel em cima da hora, principalmente para o Carnaval e o réveillon.

Se você vai ao Rio a negócios, planeja conhecer a parte histórica da cidade ou até mesmo fazer compras, uma boa opção é escolher um hotel no Centro. O bairro é bem localizado e são fartas as opções de transportes. Além disso, o centro fica próximo do Aeroporto Santos Dumont, uma mão na roda para quem chega por esse aeroporto. Outra alternativa na região central da cidade é Santa Teresa, que além de ser um bairro cheio de charme, possui pousadas aconchegantes.

Para aproveitar as praias e conhecer restaurantes e lojas diferentes, o melhor é ficar na Zona Sul. Em Copacabana, por exemplo, é um dos bairros que conta com mais hotéis. A vantagem de ficar nessa área é estar perto de um dos pontos mais badalados da cidade e ao mesmo tempo poder se valer da concorrência e garantir preços legais nas diárias mesmo numa área tão famosa.

Ipanema e Leblon são bairros nobres excelentes para quem busca um ambiente mais refinado e proximidade com belas praias. O comércio nesses bairros é abundante, com opções de restaurantes ótimos. Por ser uma área mais nobre os valores das diárias são mais caros, mas as redes de hotéis nessa região são de primeira linha.

Como circular

A Avenida Brasil e a Linha Vermelha são parte do trajeto de quem chega pela BR-116 (Via Dutra) ou pela BR-040 em direção ao Centro ou à Zona Sul. Ambas têm conexão com a Linha Amarela, via expressa para a Barra. Na rota para a Lagoa Rodrigo de Freitas e para as praias, o Túnel Rebouças é alternativa. Na hora do rush, as avenidas Niemeyer, Delfim Moreira, Vieira Souto e Atlântica têm sentido único: em direção ao Centro (pela manhã) e no sentido contrário (no fim da tarde). Aos domingos e feriados, muitas faixas à beira-mar são interditadas para lazer. Quem está na Zona Sul encontra ônibus de linha (R$ 3) para as principais atrações. O metrô (R$ 3,50) liga a região central a bairros como Flamengo, Botafogo, Copacabana e Ipanema.

Metrô

São duas linhas principais no Rio: uma liga a Zona Sul à Zona Norte, passando pelo centro, e a outra vai da Zona Norte aos bairros do subúrbio.

O metrô é um meio rápido, eficiente e geralmente limpo, mas, por ser usado por muita gente, falta espaço nos horários de pico. Dos meios baratos, é o menos confuso para quem não está habituado à cidade, pois as estações e os metrôs têm mapas para facilitar a localização.

Vale lembrar que existe a opção de integração com ônibus para os destinos que o metrô não alcança, e o valor é o mesmo  (R$3,10) – é o chamado Metrô de Superfície. Se você optar por pegar o metrô de superfície + metrô, saiba que o metrô na superfície tem paradas diferentes das paradas de ônibus comum. Os pontos em que o metrô de superfície faz parada estão identificados por um “M”, assim como as estações convencionais.
Outra opção é pegar o metrô + ônibus expresso (R$ 4), que atende a lugares que o metrô de superfície não alcança.

Para evitar entrar na fila dos caixas toda vez que utilizar o metrô, vale a pena comprar um cartão pré-pago e inserir créditos nesse cartão. Essa dica é válida especialmente para épocas de grande movimento na cidade, como Carnaval e shows populares. Para utilizar o metrô no Reveillon, a compra de um cartão é obrigatória, e a mesma começa a ser feita algumas semanas antes do fim do ano. Acompanhe o site do Metrô Rio para obter outras informações.

Onde comer

O Rio vem renovando sua cena gastronômica. Ao todo, 15 restaurantes estreiam nesta edição, quatro deles com uma estrela: o argentino Corrientes 348; o contemporâneo Lasai, que recebe ainda o prêmio Novidade do Ano; e os japoneses Seidô e Shin Miura RB1, ambos do chef Nao Hara. Fora do time de estrelados, outra novidade é o badaladíssimo Rubaiyat Rio, bem em frente ao Jardim Botânico.

 

Bares

Botequins são instituições cariocas. À primeira vista, não espere muito mais do que um balcão, cadeiras de plástico ou de ferro e banheiros mais ou menos limpos. Mas poucos programas são mais queridos na cidade. Grupos de amigos, em pé ou sentados, bebem cerveja gelada e petiscam delícias como as pataniscas de bacalhau do Pavão Azul e o bolinho de feijoada do Aconchego Carioca. Os endereços mais antigos ficam na região central e hoje têm aura de ponto turístico – dá para conhecer alguns deles em tours dedicados à botecagem (Rios de Histórias, 99715-8502). Ipanema e Leblon reúnem bares arrumadinhos, como Delirium Café, Pipo e Stuzzi.

Comidas Tipicas

Feijoada — O saboroso caldo de feijão-preto, carne-seca, paio, linguiça, lombo, costela, pé, orelha e rabo de porco (acompanhado de arroz, laranja, torresmo e couve) é o prato mais famoso do Brasil. Já foi tema de música de Chico Buarque, ganhou dias da semana em sua homenagem (quarta, sexta e sábado) e, a todo tempo, é objeto de releituras – que o digam as versões light ou vegetariana que pipocam por aí. Mas polêmicas rondam a receita. Não há, por exemplo, quem especifique sua origem: alguns dizem que foi criada pelos escravos; outros afirmam, com mais certeza, que é derivada dos cozidos europeus (e as semelhanças com o francês cassoulet, cozido de carnes e feijão-branco, reforçam essa tese).

Onde comer: Quadra da Portela (todo primeiro sábado do mês) e quadra do Salgueiro (todo segundo domingo do mês).

Filé à Oswaldo Aranha e Sopa Leão Veloso — Nos anos 30, políticos emprestavam seus nomes para receitas. Oswaldo Aranha, então ministro da Fazenda, era habitué do “Senadinho”, como era conhecido o bar e restaurante Cosmopolita (pela frequência de figurões da república). Aranha sempre pedia o mesmo prato: bife alto coberto com alho frito e servido com arroz, farofa e batata portuguesa. A receita ganhou seu nome e se tornou um clássico da cidade. O mesmo aconteceu com outro restaurante do Centro, o Rio Minho. Cliente da casa, o embaixador Leão Veloso introduziu a receita da bouillabaisse, ensopado típico de Marselha. A versão carioca atende por sopa leão veloso, um caldo feito com cabeça de cherne e suco da cabeça do camarão, cozido com peixe e frutos do mar.

Onde comer: O filé é servido no Cosmopolita, no Filé de Ouro e no Lamas. A sopa Leão Veloso é preparada no Rio Minho e nas duas casas Adegão Português (São Cristóvão) e Adegão Português (Barra da Tijuca).

Compras

Grande como é, o Rio de Janeiro não poderia decepcionar em relação as compras. A cidade possui uma grande variedade de lojas, por isso, é capaz de agradar a todos os bolsos e gostos. Nos shoppings ou nas lojas de rua, o Rio oferece uma grande leque de possibilidades, com o melhor das marcas regionais e mundiais.

Conhecido como o local ideal para quem deseja economizar, a SAARA, no centro do Rio, é um local super popular e cheio de boas ofertas. Movimentada e cheia de gente, a região é legal para encontrar pechinchas. Também no centro, além das lojas que você encontra na rua, uma ótima pedida é ir até a Praça XV aos sábados, quando a feira de antiguidades está a pleno vapor e oferece todo tipo de objeto para venda.

Quem gosta de encontrar um pouco de tudo num único local pode apostar em algum dos diversos shoppings que a cidade possui. Os shoppings são legais não apenas pela quantidade de lojas, mas por serem considerados locais seguros.

Vida noturna

Os pontos para se divertir à noite ficam espalhados pela cidade. O Rio tem lugares ótimos para curtir a noite, mas tem uma coisa especial: vários aglomerados de bares e restaurantes, ótimos para happy hour, comemorações especiais ou um simples para o encontro de amigos. Esses lugares são descolados e se tornam uma opção bacana para juntar, em um mesmo espaço, vários tipos de comidas e ambientes diferentes.

Exemplo desses polos gastronômicos são o Cobal de Botafogo, onde você pode conhecer o Bar Restaurante Joaquina, e o Cobal do Leblon. Na Zona Sul, o Baixo Gávea – ponto de encontro aos domingos e às segundas-feiras.

No Centro do Rio, conheça o Arco do Teles, espaço popular para quem gosta de um happy hour. No entanto, mesmo com todas as atrações citadas, a melhor noite do Rio é na Lapa. O bairro tem diversos bares, restaurantes e casas noturnas com os mais variados estilos – e certamente uma atração para agradar você.

Pontos turísticos 

O Rio é cheio de atrações! Alguns lugares são muito divulgados pela mídia e por isso as pessoas podem evitar o passeio achando que já os conhecem. Não caia nessa! Vá, sim, a todos os lugares que você puder! O Rio é uma cidade incrível com uma paisagem deslumbrante, apreciada pelo mundo inteiro. Ande, conheça, registre, faça os passeios, mesmo achando que são muito explorados, e você não se arrependerá.

Durante sua viagem, não deixe de fora do roteiro uma visita ao Cristo Redentor. O lugar está sempre cheio, mas não adianta ter preguiça, porque é possível ir até o pedestal da estátua sem precisar subir um monte de escadas. Escolha um dia de céu aberto para apreciar a vista panorâmica inigualável que tem o Cristo e tirar muitas fotos daquele que abençoa a cidade. Ele é uma das maravilhas modernas e simplesmente não pode faltar na sua lista.

Outra atração igualmente importante e famosa é o Pão de Açúcar. Subir o morro pelo bondinho não é barato, mas, assim como no Cristo, a visão de 360º da cidade é deslumbrante. Passe uma tarde por lá, aprecie a vista durante o dia, o pôr do sol e, por fim, a chegada da noite. Ótimo programa para um dia de férias.

Quando quiser fugir um pouco do barulho e da confusão da cidade, visite o Jardim Botânico. Sempre presente nas novelas, o parque tem inúmeras espécies de plantas e num dia quente é refrescante passear entre as árvores e sentir um ar mais puro e fresco.

Praias 

As praias são um dos motivos que fazem do Rio um destino tão atrativo. O mar, sempre muito azul, proporciona um mergulho refrescante, ótimo para renovar as energias. São elas que embelezam a cidade em meio à sua geografia irregular e são a melhor opção para os dias quentes.

Na Zona Sul ficam as praias mais procuradas: Copacabana, Ipanema e Leblon. Nessa região, a maneira mais fácil de se localizar é através da demarcação de postos – o posto 6, por exemplo, fica próximo ao Forte de Copacabana. Já na Zona Oeste, em geral, ficam as praias com ondas mais fortes e propícias para o surfe, como Barra da Tijuca e Joatinga.

Não deixe de andar por Copacabana e conhecer o tão famoso calçadão com desenho preto e branco. Caminhe ou ande de bicicleta para sentir um pouco do clima da cidade. Em Ipanema, aprecie o pôr do sol do Arpoador e tire muitas fotos ao entardecer. Tome uma água de coco bem gelada em qualquer um dos quiosques espalhados pela orla, mas tenha certeza de sempre perguntar o preço antes de pedir e não ser enganado.

Dicas 

– Um tema para prestar atenção no Rio é a violência. Apesar de estar visivelmente melhorando, é muito importante sempre tomar cuidado com seus pertences. Evite andar com objetos valiosos e deixar transparecer que não conhece o lugar, principalmente se estiver num local frequentemente visitado por turistas.

– Outro fato importante é saber que os táxis amarelos são os que têm preço melhor. Os táxis azuis, apesar de serem minoria, são especiais e cobram preços fixos e maiores nas corridas. No Rio, os táxis amarelos são uma boa opção de custo-benefício. Ainda sobre esse tema, alertamos: evite táxi pirata! É muito perigoso e muitas pessoas vêm sofrendo golpes desse tipo.  É mais seguro procurar táxis com carros novos e de cooperativas.

– Quando marcar um compromisso, programe-se. O Rio tem um trânsito de cidade grande e muitas vezes os lugares demoram a chegar, principalmente se houver congestionamento.

– O verão carioca é muito quente. Lembre-se de usar roupas leves quando for à cidade nessa época.

– O Rio é uma cidade onde o turismo é muito forte, chegar cedo em alguns pontos turísticos é sinônimo de encontrar menos filas e lugares mais vazios.

Quando ir 

Por ser uma cidade com enorme potencial turístico, há atrações durante todo o ano no Rio. O verão é a estação em que a cidade mais recebe turistas, mas há ocasiões que se tornam especiais quando aproveitadas na cidade. O Carnaval e o réveillon cariocas são boas oportunidades para aproveitar o que a cidade tem de melhor. Quem conhece não esquece!

O clima tropical úmido, influenciado pelo Oceano Atlântico, se encaixa com a beleza da cidade. Ocorrem variações de temperatura de acordo com o local, a altura e a proximidade do mar, mas a média anual é de 24°C. O período de chuvas vai de dezembro a março.

As temperaturas mais baixas ocorrem de junho a agosto, quando chove menos (médias entre 18°C e 25°C). Temperaturas altas são registradas durante todo o ano, mas é no verão que elas se elevam de verdade e fazem o Rio ser conhecido por atingir 40°C.

Durante o verão as praias ficam cheias, por causa do calor intenso. Se você pretende conhecer o Rio em outra estação, vá à praia também! O sol está por lá durante todo o ano.

Eventos:

Os desfiles das escolas de samba que passam pelo Sambódromo da Marquês de Sapucaí  fazem o Rio receber o título de proprietário do maior Carnaval do mundo. Há acomodação para até 70 mil pessoas e os dias mais concorridos são o domingo e a segunda-feira de Carnaval, quando passa pela avenida o grupo especial das escolas de samba. Para a compra de ingressos, fique muito atento à data de início de venda – os ingressos esgotam-se rapidamente. Quanto antes você comprar, mais barato será. Para quem não mora no Rio e também quer participar da festa, vale a pena ficar atento ao site da Liga Independente das Escolas de Samba.É um espetáculo tão grandioso que contagia todo tipo de pessoa, independentemente de seu gosto musical. Um acontecimento para presenciar pelo menos uma vez na vida.

Outra grande oportunidade no Carnaval está nos blocos de rua. São muitas opções, e os estilos musicais não se prendem ao samba: vão de marchinhas de carnaval antigas até músicas dos Beatles adaptadas. Tem para todo gosto, nos mais diversos bairros.

Quanto ao Réveillon, conhecido mundo afora, pode ser aproveitado em diversos pontos da cidade A queima de fogos mais famosa, sem dúvida, ocorre na Praia de Copacabana. A praia recebe mais de dois milhões de pessoas e são pouco mais 20 minutos de show pirotécnico. Muitos optam por curtir a queima da areia nas sacadas dos prédios ou mesmo em alto mar.

Vale lembrar que, como o bairro e adjacências recebem muitos visitantes, no dia 31 o ideal é sair de casa cedo – o trânsito, além de ficar complicado, já começa a ser interditado à tarde. A melhor opção passa a ser o metrô, que, apesar de ficar lotado, não sofre congestionamentos.

Ao contrário do que parece, o réveillon do Rio não acontece apenas nas praias. São diversas as festas espalhadas pela cidade, a ressaltar a tradicional festa do Hotel Copacabana Palace, Jockey Club, Pão de Açúcar e o Museu de Arte Moderna. São opções para todos os bolsos. Se você quiser ir a um evento no réveillon, programe-se! Compre o ingresso com antecedência e planeje como irá se locomover.

Além das duas grandiosas festas, o Rio é palco de grandes eventos. O Rock in Rio é um deles. O Rio, independentemente da época do ano, é um dos principais destinos no Brasil de artistas internacionais. A noite carioca é agitada e são inúmeros os artistas que passam por lá aos finais de semana.

Referências:

http://guia.melhoresdestinos.com.br/rio-de-janeiro-4-c.html

http://viajeaqui.abril.com.br/cidades/br-rj-rio-de-janeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado