Madrid

Madrid é uma das mais belas e agitadas capitais da Europa. Situada na região central da Espanha, cercada por terras áridas, Madri é a capital de maior altitude na Europa. Foi fundada pelos árabes como uma fortaleza, assim permanecendo até que Afonso VI a ocupou, em 1083. Felipe II fez dela a capital da corte em 1561. Desde então a cidade floresceu, tornando-se vibrante, dinâmica, moderna sem deixar de preservar seu patrimônio histórico e cultural.

Madri é o coração da Espanha. Centro intelectual e político de um vasto império, pilar da fé católica e foco das artes sob monarcas das mais diferentes tendências, daqui também partiram as ordens de uma Inquisição fanática, da supressão de identidades regionais – principalmente de bascos, galegos e catalães – e da evangelização forçada de nativos das Américas. É exatamente esse passado rico e controverso que fez de Madri o que ela é hoje – a capital cultural de um dos idiomas mais falados do planeta e de um país que luta para se manter unido e próspero. Aqui você encontrará uma tríade de museus sem paralelo – Prado, Reina Sofia e Thyssen-Bornemisza, um palácio real em que não faltam luxo e exuberância e boa parte do espírito impetuoso dos espanhóis.

O cenário gastronômico vibrante, com o que há de melhor na cozinha ibérica  tapas, paellas, doces e presuntos, é uma atração à parte. Come-se bem, bebe-se ainda melhor. O vinho aqui é tratado com respeito, com adegas bem abastecidas de rótulos nacionais (como os Cava, Rioja e Jerez) e dos vizinhos italianos, portugueses e franceses, muitas vezes com preços bem atraentes.

Shows, espetáculos e exposições são algumas das atrações da agitada vida cultural madrilenha. Há sempre alguma boa mostra em cartaz na cidade e mesmo os cinemas são uma ótima opção de lazer. Além disso, eventos esportivos como os jogos dos times locais Atlético de Madri e Real Madrid (com seu ótimo museu) são ótimos para quem viaja em família ou com uma turma de amigos. Ganhando ou perdendo, o negócio depois é ir de bar em bar, experimentando as melhores tapas de cada um. De Madri também é possível fazer ótimos passeios até cidades próximas, como Toledo, o austero palácio-monastério de El Escorial e, um pouco mais distante, a cidade amuralhada de Ávila.

Como Chegar

Aéreo :Voos diretos para Madri saem de São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro e Recife, operados pela Iberia (11/3218-7130, www.iberia.com/br) e pela TAM (4002-5700 e 0800-570-5700, www.tam.com.br). Ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Barajas (MAD, www.madridmad.com), há três maneiras econômicas de chegar ao Centro: ônibus (€ 2,90), metrô (€ 2) e trem (€ 2). O ônibus segue até Plaza de Colón, no Centro, ou Chamartín. O trem vai até a estação Atocha. De táxi, o trajeto sai por cerca de € 22.  O aeroporto é muito bem conectado com o restante da Espanha, Europa e norte da África, tanto com companhias aéreas tradicionais como com as low-cost EasyJet e Ryanair.

Ferroviário : Uma forma muito prática e interessante de circular pela Espanha é com os trens da companhia Renfe (www.renfe.com). Utilizando os diferentes tipos de serviço chega-se a importantes destinos como Barcelona, Valência e Bilbao. Um exemplo: até Sevilha, com o trem de alta velocidade AVE, a viagem de 2h30 sai por cerca de € 83, enquanto que o mais lento Enlace, que cobre a distância em 3h30, a tarifa é de € 73. A principal estação ferroviária da cidade é Atocha, praticamente junto ao Jardim Botânico Real e ao Museu Rainha Sofia.

Rodoviário: Um pouco mais lentos e baratos que os serviços ferroviários são os ônibus que servem a capital e a ligam tanto com as cidades próximas, como as mais distantes. A Espanha também é um ótimo destino para se conhecer de carro, com ótimas estradas, bem sinalizadas e conservadas. Esta é a forma mais divertida de parar em cidades menores e mais prosaicas. Dentro de Madri, no entanto, a história é outra. Como toda cidade, estacionamentos estão disponíveis em boa quantidade, mas o trânsito pode irritar um pouco. Considerando que a cidade tem um bom sistema de transporte público, deixe o carro na garagem e utilize-o somente fora da cidade.

Onde ficar

Madri possui uma vasta variedade de bons hotéis, albergues e quartos de aluguel. Bandeiras nacionais, como Tryp, Meliá e NH, estão ombro a ombro com outras, como Mercure, Best Western, Holiday Inn e Novotel.

Não há exatamente um melhor bairro onde ficar (e cada distrito tem um hotel que cabe no seu orçamento, dos mais simples aos luxuosos). O Centro Antigo possui vasta variedade de opções (e é uma das mais bem servidas por restaurantes, lojas e bares), quase sempre nas imediações da Puerta del Sol, Gran Via e da Plaza Mayor. Paseo del Prado é a cara da Casa dos Bourbon, monumental, tranquila em vários pontos, com alguns bons hotéis-butique, o clássico Ritz e até alguns endereços bons e baratos. Fora do Centro, nas imediações do Paseo de la Castellana, estão muitos estabelecimentos que servem os viajantes de negócios.

Como Circular

O sistema de transporte público de Madri (www.ctm-madrid.es) é bem amplo e chega às principais atrações turísticas da cidade. A extensa malha de metrô (www.metromadrid.es) é bem conveniente e seu mais utilizado serviço. Operando em conjunto com ônibus e trens, dispensa outras modalidade no dia a dia, como táxis e carros alugados. O bilhete de uma viagem sai por € 1,50, enquanto o de dez viagens sai desde € 12 para vários meios: Metrô (Zona A), EMT (ônibus urbano) e ML (metrô ligeiro, na verdade, uma espécie de bondinho). Estão também disponíveis bilhetes turísticos válidos para viagens ilimitadas por vários dias: 1 dia (€ 8), 2 dias (€ 13,40), 3 dias (€ 17,40), 5 dias (€ 25,40 ) e 7 dias (€ 33,40). À noite, depois de um show ou jantar mais tardio (o que é a norma), os táxis podem ser os meios convenientes, mas não são facilmente encontrados.

Gastronomia

Lugar onde comer é o que não falta em Madri. E boa parte deles é muito boa. Cervezerías e restaurantes vivem cheios, oferecendo ótima comida, inclusive pescados e especialidades de outras regiões do país e do mundo hispano, como casas especializadas em pratos peruanos e mexicanos, além de carnes argentinas. Apesar do cenário gastronômico não ser tão inventivo como na Catalunha, terra dos chefs Ferran Adriá e Sergi Arola, aqui também há boas e inovadoras bodegas e tascas. No entanto, a maioria dos restaurantes e bares servem melhor aos glutões do que aos supostos gourmets, com porções generosas, bons rótulos de vinhos e um ambiente ruidoso.

 

Melhor época para visitar

No verão, Madrid fica mais cheia de turistas e agitada. Na primavera, de maio a outubro, a temperatura é mais agradável e já não há tanta aglomeração nas principais atrações da cidade. Evite o inverno, quando a cidade pode ficar bem gelada.

 

 

Referências

http://viajeaqui.abril.com.br/cidades/espanha-madri

www.vamosparaespanha.com.br/madrid.html

www.dicaseturismo.com.br/madrid-espanha

 

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado