Machu Picchu

Machu Picchu é simplesmente a atração número um do Peru e talvez da própria América Andina. Desde que a descoberta científica da cidadela inca foi anunciada pelo historiador americano Hiram Bingham em 1911, sua complexa e misteriosa arquitetura encastelada num cenário montanhoso dramático vem atraindo turistas de todo o mundo.Reconhecida como uma das maravilhas do mundo atual, Machu Picchu é um lugar impressionante sob inúmeros aspectos. É daqueles destinos que você tem de colocar no topo da lista de lugares para conhecer antes de morrer. A cidade comemorou 100 anos de seu descobrimento em 2011.

A “cidade perdida dos Incas” exala energia e permite aos visitantes desvendar um pouquinho de um povo que guardava conhecimento muito avançado, especialmente para a época. O sítio arqueológico está 2.450 metros acima do nível do mar e foi povoado entre os anos de 1450 a 1540. As famílias que lá viviam cultivavam, principalmente, milho e batata e deixaram a cidade antes da chegada dos espanhóis, provavelmente motivados por moléstias. Machu Picchu foi toda construída por pedras, sendo que a maior parte delas tem entre 10kg e 15kg – algumas chegam a pesar 20 toneladas. É incrível a experiência de visitar as ruínas e perceber o encaixe perfeito das paredes. Uma curiosidade que torna o lugar ainda mais interessante e surpreendente é saber que os moradores eram pequenos: os homens tinham, em média, 1,55m e as mulheres, 1,25m. Sabendo disso, é quase impossível não se perguntar como um lugar tão grandioso foi construído.

Tanta popularidade levou Machu Picchu, uma das novas sete maravilhas do mundo, a sofrer com o turismo desenfreado e alguns dos preços mais altos do país. Mesmo assim, hordas de turistas desembarcam sem parar nessa antiga cidade inca de pedra, seja pela clássica Trilha Inca ou por trens vindos de Cusco. E motivos não faltam para tamanha determinação. Machu Picchu, que em língua quéchua significa “montanha velha”, está localizada sobre uma montanha de granito e abriga impressionantes construções erguidas com pesados blocos de rocha. Cercado de enigmas a respeito de sua criação e serventia, o local, declarado pela Unesco como Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade, está a 112 quilômetros de Cusco e 2.350 metros acima do nível do mar.Para muitos, é a viagem de uma vida.

Atenção: devido à rápida degradação do sítio, o governo peruano vem limitando o número de visitantes ao local. Para quem viaja com agências, elas providenciarão a reserva para ingresso às ruínas, mas os independentes o deverão fazê-lo com antecedência junto às autoridades.

 Como Chegar

Avião

De Lima para Cusco, há voos diretos pelas empresas Lan (0800-7610056, www.lan.com) Star Perú (1/213-8813, www.starperu.com) e Taca (0800-761822, www.taca,com). O aeroporto Alejandro Velasco Astete fica a menos de 4 quilômetros da cidade.

Trilha Inca

Para alcançar Machu Picchu, uma das alternativas é fazer a pé a Trilha inca. São várias rotas para se chegar ao alto da montanha. A caminhada mais comum é a que leva quatro dias de duração e cruza montanhas como Warmiwañusqa  e Runkuraqay, a 4.200 e 3.860 metros sobre o nível do mar, respectivamente. Essas jornadas são organizadas por agências como a Camiño Inca (www.caminoincamachupicchu.com), Amazing Adventure (www.amazingadventureperu.com), Kintu (www.kintuexpeditions.com) e Topex Expeditions (www.topexpeditions.com).

A viagem começa em Piskacucho, pequeno povoado localizado no km 82 da ferrovia Cusco-Machu Picchu, a mesma por onde passam os trens que ligam Cusco a Aguas Calientes (Machu Picchu Pueblo). Dali, a caminhada costuma seguir o seguinte roteiro:  1.º dia (sete horas): Piskacucho-Llulluchapampa; 2.º dia (oito horas): Llulluchapampa-Chaquicocha; 3.º dia (sete horas): Chaquicocha-Wiñaywayna; 4º (uma hora e meia): Wiñaywaya – Intipunku. Quem quiser ver as ruínas de Qoriwayrachina, Waynaq’ente e Machuq’ente deve seguir pela rota que sai do km 88 da mesma via férrea. O viajante que tiver menos tempo disponível pode realizar o roteiro de dois dias, que começa no km 104.

Trem

Esse é o meio mais popular para se chegar a Machu Picchu. O serviço é operado pela Peru Rail (www.perurail.com) e pela Inca Rail (www.incarail.com). Cada empresa oferece três opções de trem todos os dias entre Cusco e Aguas Calientes, com distintas categorias e preços.

A Peru Rail, por exemplo, tem o Vistadome, uma viagem de pouco mais de três horas em vagões com janelas e teto panorâmicos; o Expedition, voltado para mochileiros; e o Hiram Bingham, um serviço luxuoso da Orient Express que inclui refeições a bordo, transporte até a cidadela de Machu Picchu, acompanhamento de guia e um chá da tarde no Machu Picchu Sanctuary Lodge, o único hotel localizado na região de Machu Picchu.

Uma vez em Aguas Calientes, o visitante deve caminhar 700 metros até a entrada do sítio ou tomar um dos ônibus que sobem até o local. Procure sair no primeiro horário para poder aproveitar o atrativo sem pressa. As tarifas para o trecho Cusco-Machu Picchu custam S/. 162,40 (Expedition), S/. 205,90 (Vistadome) e S/. 868,55 (Hiram Bingham). Recomenda-se reservar com antecedência no site de cada empresa, ou por meio do www.trenesamachupicchu.com.

Onde Ficar 

Quando for escolher onde se hospedar para conhecer Machu Picchu é necessário saber que, próximo ao sítio arqueológico, há de fato, apenas um hotel. Esse hotel é alvo de muitas críticas, por estar numa região considerada Patrimônio Mundial pela Unesco. Sabendo disso, você terá de escolher um lugar ao redor da cidade para ficar. O vilarejo mais próximo é Águas Calientes, o último antes do sítio arqueológico (20 minutos de ônibus).

Belmond Palacio Nazarenas Cusco 

Situado em um palácio renovado com paredes de pedras incas, este hotel tem uma piscina ao ar livre, um spa, um bar e um restaurante. Há Wi-Fi gratuito e o buffet de café-da-manhã está incluído.As suítes do Palacio Nazarenas Hotel têm um banheiro privativo completo, ar-condicionado, TV e DVD player. Cada suíte inclui um bar privativo com um mordomo privativo. O spa é especializado em aromaterapia com ingredientes peruanos, como flores, ervas, sal rosa dos Andes, milho roxo, mel, abacate, café e coca.

Você poderá saborear especialidades andinas no Restaurante Senzo. Aproveite também para desfrutar de um coquetel no Bar Senzo, perto da piscina.Você será recebido com fruta fresca e uma variedade de bebidas do bar. Máscaras de oxigênio são fornecidas, caso seja necessário. O hotel fica a 200 m do Museu Inka e a 500 m da Área Histórica de Sacsayhuaman. A Plaza de Armas (praça) fica a 400 m de distância, enquanto o Aeroporto Internacional Alejandro Velasco Astete fica a 15 minutos de carro.

Casa Cartagena Boutique Hotel & Spa

Este hotel boutique de luxo ocupa um edifício histórico situado a apenas 2 quarteirões da Plaza de Armas, e oferece suítes espaçosas com Wi-Fi gratuito. O estabelecimento conta spa e piscina ao ar livre, além de academia gratuita, ao seu dispor.Todas as suítes do Casa Cartagena dispõem de varandas de madeira com vista para o jardim da piscina do hotel. Os quartos apresentam uma decoração elegante e contam com TV de tela plana e banheiro privativo de luxo.

O spa do Cartagena possui janelas amplas com vista para um terraço com jardim. Você pode desfrutar de uma variedade de tratamentos corporais ou relaxar em uma das espreguiçadeiras ao lado da ampla banheira de hidromassagem.Aproveite para usar os serviços de internet ou impressão no business center do Casa Cartagena Boutique Hotel & Spa. Para sua maior comodidade, o hotel também dispõe de recepção 24 h e serviços de lavanderia. O Restaurante La Chola serve uma mistura de pratos locais da cozinha andina e da cozinha ocidental. À noite, você pode desfrutar de uma bebida no bar do hotel.O hotel fica a 500 m do bairro de San Blas, que conta com várias lojas de artesanato. Você também pode visitar o Museu Santa Catalina e o Museu Inca com facilidade, situados a 5 minutos a pé.

Saya Wasi

O Saya Wasi B&B oferece acomodações com café da manhã gratuito em Cusco, a 300 metros da San Blas, praça principal da cidade, e a 500 metros da área comercial. Este Cama e Café (B&B) está localizado bem ao lado do Mirante de San Blas. A propriedade dispõe de WiFi gratuito.Os quartos do B&B possuem banheiro privativo, área de estar, TV a cabo, aquecimento, frigobar, terraço e chaleira elétrica.

O Saya Wasi possui recepção 24 horas. Além disso, o B&B conta com depósito para bagagem e serviço de quarto. A equipe também poderá providenciar serviço de lavanderia mediante custo adicional. A propriedade fica a 10 km do Aeroporto Internacional Alejandro Velasco Astete.

O que Fazer

O Parque Arqueológico de Machu Picchu guarda templos, muros, casas e várias outras ruínas utilizadas pelas famílias que lá viveram. É recomendável ir bem cedo, pois o sol é menos forte e a cidade está mais vazia. Aconselhamos também fazer seu passeio junto a um guia – do contrário, você não saberá todas as curiosidades e detalhes das construções e não conhecerá a fundo todo o potencial que esse povo guardava.

Um passeio de quatro horas é suficiente para conhecer bem o sítio, tirar muitas fotos, relaxar depois do cansaço que algumas subidas provocam, entre outras coisas. Antes de subir, pegue um mapa na recepção do parque, pois nele há várias informações que ajudam você a se localizar. Na volta do passeio, antes de deixar o parque, vá até a recepção novamente para receber no passaporte um carimbo de Machu Picchu.
Não se esqueça de levar água e um lanche, se for ficar muito tempo por lá. O restaurante e a lanchonete próximos do parque custam caro.

A entrada no Parque de Machu Picchu custa 126 soles (R$ 84). Para conhecer Machu Picchu + Huayna Picchu, o valor é de 150 soles (R$ 100). A diferença de preço é pouca e vale a pena fazer os dois passeios. O sítio arqueológico é um lugar inesquecível, de beleza natural e humana abundantes. É um lugar que merece sua visita.

Como se Locomover

Quem pretende conhecer a região de Machu Picchu pode esquecer os carros – só dá para chegar lá por trem e conhecer o parque por meio de caminhadas.Para quem fica em Cusco ou Ollantaytambo, um carro pode fazer diferença. Se você se hospedar em Cusco e quiser a cada dia conhecer uma região diferente do Vale Sagrado, vale alugar um carro.

Desde Cusco, a maior cidade e com mais estrutura na região, há diversos passeios para os sítios arqueológicos do Vale Sagrado. Você pode fazê-los com agências turísticas, em excursões que saem todos os dias, contratar táxi ou ir de ônibus. Deve-se levar em conta que uma viagem como essa é uma expedição. E que nem sempre vai ser possível desfrutar de todo o conforto que se gostaria.

Compras

O Peru é um ótimo lugar para comprar artesanato. As opções são inúmeras, principalmente pelo fato de o artesanato ser a fonte de renda de muitas pessoas. É difícil resistir e não sentir vontade de levar para casa um maravilhoso tecido bordado.  O ideal é ter os soles (moeda peruana) em mãos, mas os vendedores informais aceitam também dólar americano, euro e até real, em alguns casos. Lembre-se de negociar os valores e não aceitar nenhuma oferta logo de cara: pechinche.

Os melhores lugares para fazer e compras são Cusco e o Mercado de Pisac (que ocorre às terças, às quintas e, principalmente, aos domingos). Em Cusco você encontra diversas lojinhas que ficam abertas até tarde com cartões,copos, gorros, camisas e outros artigos. Pisac é uma boa oportunidade para comprar tecidos, bolsas e roupas de lã.

Cusco 

A cidade histórica, conhecida como capital da cultura Inca, tem cerca de 500 mil habitantes e ótima infraestrutura. Na cidade de Cusco você encontra bons hotéis, restaurantes preparados e até boate. Entre 60% e 70% da população da cidade vivem do turismo, por isso há várias lojinhas de artesanato e agências que fazem passeios para pontos turísticos. Hospedar-se na cidade e ir aos outros sítios arqueológicos a cada dia é uma boa maneira de organizar a viagem.

 Mercado de Pisac

O mercado de Pisac é uma ótima oportunidade para comprar os desejados suvenires. São muitas opções de tecidos feitos à mão, bolsas, camisas, objetos de prata, bonecas, porta-moedas, enfim,tem de tudo! As pessoas colocarão o preço dos produtos lá no alto ao perceberem que você é turista; por isso, pechinche sem medo! Enrole no portunhol e faça uma boa oferta, e seu presente está garantido! Não deixe de ir ao lugar se você gosta de fazer compras, pois ele é a melhor opção para quem quer encontrar variedade num único local. Domingos, terças e quintas são os dias em que o mercado funciona.

Quando Ir

Machu Picchu fica numa região que recebe muitas chuvas no verão, e o período entre novembro e março não é aconselhável para sua viagem.A alta temporada vai de maio a setembro, quando chove menos. Dentro desses meses, junho e julho são os melhores para conhecer o legado inca, já que a probabilidade de precipitação é menor ainda. De dezembro a março chove com frequência, e, nos dias em que chove muito, o parque é fechado. Por isso é aconselhável viajar quando o tempo é mais seco mesmo. Ir com o tempo seco ainda evita o incômodo com pernilongos, que pode ser frequente na época de chuvas. A temperatura média anual da região está na casa dos 20ºC, e cai quase pela metade à noite, mas no inverno as temperaturas podem chegar a 0ºC.

Dicas 

-Para ir ao Peru não é imprescindível ter um passaporte; basta o RG para entrar no país (CNH não vale). Caso você tenha passaporte e queira viajar com ele, vá ao sítio arqueológico acompanhado de seu documento, pois um funcionário carimba a folha do passaporte na saída do parque e ele fica como recordação. Os brasileiros não são obrigados a tomar nenhuma vacina para entrar em território peruano, mas para quem viaja a algumas áreas, a vacina contra febre amarela é recomendada. Veja aqui as recomendações da OMS.
Viajar com seguro não é obrigatório, mas é bom considerar fazê-lo. É bastante comum pessoas desacostumadas a grandes altitudes sofrerem com o mal de altura.Em viagem ao Peru, os turistas usam normalmente o Novo Sol (a moeda do país), mas em transações informais utilizam-se também dólares americanos e até euros. Cartões de crédito são aceitos em hotéis e restaurantes, mas é aconselhável ter dinheiro vivo em mãos, porque boa parte dos lugares não trabalha com cartões.

-Não é possível comprar os ingressos para Machu Picchu na entrada do parque. Você terá que comprar seus tíquetes em Cusco, Águas Calientes ou pelo site oficial (http://www.machupicchu.gob.pe) . Compre com antecedência, principalmente se você quer conhecer MP em junho ou julho. Há um número limitado para entrada no MP, e mais limitado ainda para fazer a trilha até Huayna Picchu.

– Estudantes com carteirinha internacional pagam meia-entrada no ingresso em MP.

– Vá cedo a Machu Picchu, Quanto mais cedo você for, menos sol e calor você irá sentir. Se quiser conhecer Huayna Picchu, chegar cedo também  é fundamental, ou você não conseguirá fazer o passeio.Use protetor solar, porque o sol é forte em Machu Picchu.

– É recomendável, antes e durante o passeio, descansar, tomar bastante água, chá de coca ou mastigar a folha, a fim de evitar o mal de altura. Apesar de os problemas maiores com a altura serem sentidos em Cusco, não custa nada estender os cuidados a outros lugares.

 Fontes

http://www.machupicchubrasil.com.br/

http://viajeaqui.abril.com.br/cidades/peru-machu-picchu

http://guia.melhoresdestinos.com.br/machu-picchu-61-c.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado