Conheça Curitiba

A cidade de Curitiba, capital do estado do Paraná, é conhecida pelo cuidado com o planejamento urbano, belas áreas verdes e um transporte público de qualidade. A fama não é para menos. Curitiba realmente oferece um excelente padrão de vida para os moradores. O fenômeno se reflete também no turismo e torna a cidade um dos destinos mais bem preparados do país para receber viajantes.

Você precisará de pouco tempo para se adaptar ao forte sotaque curitibano e à maneira muito peculiar com que piás e gurias recebem os visitantes. Apesar das diferenças de vocabulário, curtir Curitiba será fácil! Difícil mesmo será entender o clima, que no mesmo dia consegue passar por todas as estações do ano. Depois de se adaptar ao tira e bota de casacos, você também se sentirá em casa. Vale até fazer amizade com as simpáticas capivaras que se tornaram símbolo de Curitiba e garotas-propaganda da hospitalidade local.

Ao pensar em Curitiba, a primeira imagem que vem à cabeça quase sempre é a estufa de vidro do Jardim Botânico. E ela é realmente a grande estrela da cidade! À primeira vista, Curitiba parece não oferecer outras grandes atrações. Não se engane. A cidade é atenta ao turismo e desenvolveu ótimos roteiros para quem deseja se aventurar por alguns dias na terra dos pinhões. A começar pela Linha Turismo, especialmente dedicada aos viajantes. A rota é feita por um ônibus panorâmico de dois andares e leva a quase todos os pontos mais importantes da capital paranaense. Não só isso. Curitiba também é convidativa a ser explorada a pé, de bike ou mesmo no eficiente transporte público. Até o trânsito ajuda nessa hora, especialmente porque é difícil ver grandes engarrafamentos por lá.

Curitiba ganha rapidamente os viajantes porque é muito fácil de ser explorada. Os parques são maravilhosos e facilmente acessíveis, há vários bons museus a serem visitados, os restaurantes oferecem excelentes opções de comidas típicas e também menus contemporâneos e a cidade ainda oferece um bom roteiro histórico que pode ser percorrido em um walking tour gratuito. Junte a isso a intensa vida noturna, bares animados, passeios de bike e até um delicioso circuito de trem pela Serra do Mar. Curitiba é cheia de boas atrações, que também são frequentados pelos moradores. Você viverá a experiência completa ao visitar a cidade como se fosse um curitibano.

O dia a dia de Curitiba reflete a mistura de imigrantes com que a cidade foi formada. Esse é só um dos motivos pelo qual ela recebe bem os forasteiros. A cultura curitibana é um mix de ucranianos, poloneses, alemães e italianos. Tudo com uma boa pitada dos tropeiros que passavam pela região quando Curitiba ainda era a Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais. Fundada em 1693, a capital paranaense se mantém aberta a novas culturas e está sempre de braços abertos para o mundo. Os curitibanos se enchem de orgulho por viverem em um dos melhores destinos do país e adoram dividir essa experiência com quem deseja curtir alguns dias na cidade.

Está pensando em passar um dias na capital paranaense? Preparamos um guia com várias dicas sobre o que fazer em Curitiba, onde se hospedar, os principais pontos turísticos, bons restaurantes e opções de compras, além de sugestões de onde experimentar os deliciosos petiscos e cervejas artesanais da cidade e os mais belos parques para fazer um piquenique e ver o pôr do sol. Claro, quando o tempo deixar. Seja bem-vindo a Curitiba e não esqueça o casaco!

 

O que fazer em Curitiba?

É hora de aproveitar tudo o que a capital paranaense tem a oferecer aos forasteiros, seja pegando um ligeirinho no tubo ou andando no ônibus panorâmico da Linha Turismo. Em Curitiba, o que há de mais encantador é poder curti-la como um morador. Nos mesmos lugares por onde circulam os turistas, passeiam também os curitibanos. É lugar para quem gosta de viver um destino como se fosse a própria casa. Apegue-se aos pequenos hábitos locais em companhia dos piás e gurias que tanto amam essa cidade.

Sentir-se em casa em Curitiba não é difícil. A cidade é convidativa a passeios, é fácil de se locomover e rapidamente você já terá adquirido um pouco do charmoso sotaque local. Para começar a entender a cidade, que tal uma volta na mais famosa atração curitibana? A Linha Turismo é um ônibus panorâmico que percorre praticamente todos os pontos turísticos da cidade. Prática e eficiente, ela é um ótimo ponto de partida. Depois de uma voltinha, você estará apto a encarar a capital paranaense com mais desenvoltura. Compensa também fazer outros passeios em Curitiba, agora acompanhado de guias locais. E não há melhores guias do que os próprios moradores. Vale fazer o Free Walking Tour pelo Centro Histórico, os vários circuitos de bicicleta com a Kuritbike e até experimentar os inusitados Curitidrinks, Curitidoce, Tour Comida de Boteco e Tour Cervejeiro. É uma ótima oportunidade para conhecer não só Curitiba, mas também muita gente interessante que pode até se tornar companhia para o resto da viagem.

 Para entrar um pouco mais no clima da capital parananese, nada como ir a um dos mais de 30 parques e bosques locais. Sim! Curitiba não nega a fama de cidade verde e oferece belas opções para um passeio ao ar livre. Como não ficar encantado com a cúpula de vidro do Jardim Botânico ou abrir um sorriso ao ver as carismáticas capivaras no Parque Barigui? Curitiba tem parque para quem gosta de correr, fazer piqueniques, ver o pôr do sol e, claro, parques para simplesmente flanar. Vale também ir aos espaços que unem belas áreas verdes a homenagens aos imigrantes que ajudaram a construir a cidade, como o Bosque Papa João Paulo II, o Bosque Alemão e o Parque Tingui, que lembra os índios Tinguis e os imigrantes ucranianos. Esses não são os únicos. Veja mais sobre os parques e bosques de Curitiba e não deixe de passar um entardecer no Parque Tanguá, onde o pôr do sol é sempre espetacular.
O processo de construção da identidade paranaense inclui não só o grande mix de imigrantes, mas também os tempos coloniais, que podem ser revistos no Centro Histórico de Curitiba, especialmente ao redor do Largo da Ordem, onde nasceu a Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais. O local é repleto de construções de época e é um bom ponto de partida para saber mais sobre Curitiba.
Os museus também ajudam na tarefa de entender a capital, especialmente o Museu Paranaense, que oferece acervo dedicado ao desenvolvimento do estado do Paraná e surpreende pela qualidade das instalações. Se você gosta espaços culturais, não deixe de ir ao Museu Oscar Niemeyer – MON, onde está a melhor coleção de arte da cidade; à Opera de Arame e à Pedreira Leminski, onde shows são aliados ao incrível visual em meio à natureza; aos espetáculos no Teatro Guaíra, localizado no Centro Histórico e no Teatro Paiol, que funciona em um lindo prédio circular, construído em 1874 para servir de arsenal de pólvoras e munição. Se sobrar um tempinho no roteiro, visite espaços menos comuns, como o Museu de Arte Contemporânea do Paraná, o Museu do Holocausto e o Museu Ferroviário.
Um pouco da história da cidade também é contada em um belo passeio de trem até a cidade de Morretes. O passeio está entre os prediletos dos visitantes e oferece uma viagem espetacular pela Serra do Mar. Serão três horas de puro deleite em meio ao exuberante verde. Ao final, você ainda poderá saborear um delicioso barreado na cidade de Morretes. Ao retornar para Curitiba, escolha entre a encantadora Estrada da Graciosas ou o trem ao pôr do sol. De todo modo, o passeio será maravilhoso! Vale até experimentar os vagões de luxo que oferecem uma experiência única no Brasil.
Entre um passeio e outro, aproveite para fazer algumas comprinhas na cidade. Os curitibanos adoram um shopping, especialmente diante de previsões do tempo tão instáveis. A cidade oferece espaços comerciais com boa variedade de marcas, tanto nacionais quanto internacionais. Quem prefere compras mais autênticas poderá procurar pela Feira do Largo da Ordem, todos os domingos, onde objetos antigos encantam os visitantes. Os que gostam de comércio de rua ficarão felizes em um passeio pela Rua das Flores, mas quem não abre mão de um mercado recheado de delícias poderá fazer uma visita ao Mercado Municipal. Veja mais sobre compras em Curitiba.

Impossível sair de Curitiba sem experimentar algumas delícias locais. Se deixe levar pelas saborosas receitas de pão com bolinho, pela fartura dos rodízios de comida italiana, como no gigantesco Madalosso, pelos cafés especiais e pela tradição do barreado e do pinhão. À mesa, Curitiba se mostra ainda melhor. É uma cidade repleta de bons sabores, onde a tradição formada por tantos imigrantes é bastante presente. Não faltarão opções para se deliciar na cidade. Veja mais sobre restaurantes em Curitiba.

A noite Curitibana não termina no jantar, muito pelo contrário. Curitiba é repleta de bares, cervejas artesanais de qualidade e boa música. É lugar de gente jovem e animada, por mais que o clima frio tente atrapalhar. Você poderá até não ver tanta gente na rua, mas bastará olhar para dentro das janelas em bairros como Batel e São Francisco para ter certeza de que a vida curitibana pulsa também na madrugada.

 

Jardim Botânico de Curitiba

Principal cartão-postal da capital paranaense, o Jardim Botânico de Curitiba faz parte do imaginário de todo turista que já pensou em ir à cidade. Muito provavelmente esse será o primeiro objetivo dos visitantes que chegam por lá. E a razão é fácil de entender: o Jardim Botânico é um dos mais belos parques da cidade, além de oferecer o maravilhoso visual da estufa de vidro, inspirada no Palácio de Cristal de Londres.

O parque, com 178 mil m² de área, é repleto de jardins floridos, bons cantinhos para piqueniques e vários cenários para lindas fotos. Dentro da estufa, com área de 458 m², é possível ver espécies de plantas típicas de áreas tropicais. Já o jardim externo tem bem mais o estilo francês, com belos desenhos e passeios entre as áreas coloridas pelas flores, além de uma fonte com água que rende bons cliques.

Quem for ao Jardim Botânico poderá também passear pelo Jardim das Sensações, onde o percurso leva os visitantes a sentirem a natureza com mais intensidade. De olhos vendados, é possível perceber aromas e texturas esquecidos quando estamos enxergando.

Há uma pequena lanchonete que serve de apoio aos visitantes na área do parque, mas bom mesmo é levar a própria cesta de quitutes e esperar o pôr do sol, que acontece através da cúpula de vidro da estufa. Um espetáculo maravilhoso!

O Jardim Botânico faz parte do roteiro da Linha Turismo.

Visitação gratuita.

Parque São Lourenço

A vegetação ao longo da pista de corrida dá ao Parque São Lourenço ares de Central Park. O lago central, que auxilia no combate a enchentes na região, torna a paisagem ainda mais bela e é um convite à prática de atividade física e diversão. O São Lourenço, com 203.918 m² de área, é repleto de cantinhos especiais e excelente para curtir momentos de descanso ao ar livre. O lugar também faz sucesso entre as crianças fãs de carrinhos de rolimã — há pista especialmente dedicada à brincadeira. 

O São Lourenço foi construído onde antigamente funcionava uma antiga fábrica de adubos. A grande torre de tijolos chama a atenção em meio ao verde. O prédio hoje abriga um centro cultural e o maquinário da antiga fábrica foi transformado em obras de arte. 

Bosque Alemão

A vista no alto do mirante é de impressionar. O Bosque Alemão oferece um dos melhores pontos de Curitiba para observar a cidade junto à Serra do Mar. O espaço verde — com 38.000 m² e localizado na área da antiga leiteria da família Schaffer — tem natureza exuberante e vários espaços que fazem homenagem e referência aos povos germânicos. 

A visita começa no alto, onde o Oratório de Bach recebe os visitantes. O prédio, em estilo neogótico, é réplica de uma antiga igreja presbiteriana que existiu na cidade. A partir dali, é possível caminhar pela ponte de madeira que leva ao mirante. A escadaria desce até o bosque e é passeio imperdível, especialmente para as crianças. A trilha que segue em meio à mata fechada é um conto de fadas, não só pelo maravilhoso cenário, mas por descrever durante o trajeto o conto João e Maria, dos irmãos Grimm. No caminho, há ainda uma sala de leitura onde os pequenos podem ouvir histórias. A biblioteca é chamada de Casa da Bruxa. O final do trajeto, todo em descida e bem fácil de ser percorrido, é no pórtico que reproduz a fachada da Casa Milla, um dos belos exemplares da arquitetura alemã na cidade de Curitiba.

O Bosque Alemão faz parte do trajeto percorrido pela Linha Turismo.

Entrada gratuita.

Bosque Papa João Paulo II e Memorial da Imigração Polonesa

Inaugurado em dezembro de 1980 em comemoração à visita que o Papa João Paulo II fez à Curitiba no mês de junho do mesmo ano, este bosque faz homenagem não só ao pontífice, mas também ao povo polonês, que é parte importante na história da cidade. O bosque oferece aos visitantes um delicioso clima de paz e tranquilidade em meio ao verde. 

O ponto principal do Bosque João Paulo II é marcado por casas construídas em arquitetura típica polonesa, com toras de eucalipto encaixadas. Nas casas, que formam uma pequena aldeia, há espaço para uma pequena capela em homenagem à Virgem Negra de Czestchowa, padroeira da Polônia. Essa casa é a mesma que foi visitada pelo Papa em cerimônia quando ele esteve em Curitiba. Transferida para o parque, hoje é ponto de oração entre os católicos. Outra casa apresenta um acervo com lembranças da visita do Papa ao Brasil. Há ainda alguns maquinários antigos utilizados por poloneses na época da primeira imigração, em 1871.

Ao caminhar pelo bosque, que tem mais de 46.000 m² de área verde, você irá se deparar com uma grande estátua do Papa João Paulo II. A homenagem é belíssima, mas a estátua nem tanto (sejamos honestos). Outra homenagem em meio ao percurso do bosque é para o astrônomo e matemático polonês Nicolau Copérnico.

O Bosque Papa João Paulo II faz parte do trajeto percorrido pela Linha Turismo.

Acesso gratuito.

Bosque Zaninelli

O local onde antes havia uma pedreira para exploração de granito hoje serve à busca e disseminação do conhecimento. A área recuperada do Parque Zaninelli é sede da Unilivre – Universidade Livre do Meio Ambiente, onde estudiosos de todo o país debatem sobre importantes causas ambientais. A área verde é belíssima e com espaço para quem desejar curtir o parque, independente da universidade. Vale ressaltar apenas a grande quantidade de sapos no acesso ao local. Se você tiver medo, não vá ao Parque Zaninelli. Caso seja apenas um receio, não se preocupe. Os sapos são inofensivos e têm medo dos humanos.

O prédio onde funciona a Unilivre tem a peculiaridade de ter sido inaugurado pelo pesquisador Jacques Ives Cousteau. As salas de aula estão dispostas ao longo de uma grande espiral de madeira que leva ao topo dos 15 m da obra.

O Parque Zaninelli faz parte da rota da Linha Turismo.

Visitação Gratuita.

Quando ir a Curitiba

Prever o tempo é tarefa árdua para quem chega a Curitiba. Com uma frequência inacreditável, você verá as quatro estações do ano surgirem em um período de 24h. Um dia que começa com céu azul poderá tranquilamente se transformar em um grande temporal e ainda fechar o entardecer com um belo e alaranjado pôr do sol. Sem contar o constante tira e bota de casacos. A cidade também é conhecida por ter mais dias de chuva do que Londres e, de quebra, ser uma das mais geladas capitais brasileiras. Ruim? Os moradores não acham. Por isso, entre na onda curitibana e não se deixe levar pelos pingos que insistem em cair do céu. Como dizem por lá, se você deixar de fazer algo por causa da chuva, jamais sairá de casa!

Os meses com temperaturas mais altas coincidem com o período mais chuvoso. Entre novembro e março, os termômetros sobem e marcam máximas de 27°C. No entanto, as chuvas não dão trégua e estragam um pouco o passeio, especialmente quando falamos de uma cidade conhecida pela quantidade de parques ao ar livre. A partir de maio, os termômetros caem para máximas de 20°C e mínimas de 8°C. Um pouco desconfortável para quem não gosta de inverno, mas excelente para quem não suporta chuva. O outono chega com temperaturas mais amenas e dias mais secos. É um excelente período para visitar Curitiba, especialmente no mês de abril, que marca a virada para as temperaturas mais baixas.

Os meses de julho e agosto marcam o auge da estação fria, mas são os meses menos chuvosos. Veja, falamos em menos chuvosos porque Curitiba nunca tem uma estação seca. O mês de setembro marca a virada para a estação quente. A temperatura sobe e as chuvas ainda não são tão intensas. Bom período para curtir as atividades ao ar livre. Outubro chega com aumento das chuvas e das temperaturas. É o prenúncio do verão, dias quentes e água, mais uma vez.

Curitiba não é o tipo de cidade que atrai uma multidão de turistas nos finais de semana, feriados e férias escolares. Pelo contrário! A cidade fica mais vazia nesses períodos, quando os moradores correm em direção à praia. Sendo assim, caso deseje visitar Curitiba com mais calma, escolha os feriados, finais de semana e períodos de férias. Dois momentos pontuais costumam aumentar o número de turistas em Curitiba. Um deles é o Festival de Teatro, que acontece em março e atrai um grande público. O outro é o Natal Luz, que enche Curitiba de atrações no mês de dezembro e é maravilhoso não só para as crianças, mas também para os adultos.

Veja as médias anuais* na ordem de temperatura mínima, temperatura máxima e índice pluviométrico.

  • Janeiro – 16°C / 27°C / 172 mm
  • Fevereiro – 16°C / 27°C / 158 mm 
  • Março – 15°C / 26°C / 139 mm 
  • Abril – 13°C / 23°C / 95 mm 
  • Maio – 10°C / 21°C / 101 mm 
  • Junho – 8°C / 20°C / 116 mm 
  • Julho – 8°C / 19°C / 99 mm 
  • Agosto – 9°C / 21°C / 73 mm 
  • Setembro – 11°C / 21°C / 119 mm 
  • Outubro – 13°C / 23°C / 133 mm 
  • Novembro – 14°C / 25°C / 127 mm 
  • Dezembro – 15°C / 25°C / 152 mm 

Melhores períodos para visitar a cidade – abril e setembro.

Meses mais secos – julho e agosto.

Meses mais frios – junho e julho.

Meses com maior índice pluviométrico – de outubro a março.

Meses mais quentes – janeiro e fevereiro.

* Com dados do Climatempo. 

Como chegar a Curitiba

A cidade de Curitiba está localizada na região sul do Brasil e é a capital do estado do Paraná. Ela está localizada a 400 km de São Paulo e a 1.440 km de Brasília. A principal rota dos turistas para chegar à cidade é por via aérea. O maior aeroporto de Curitiba é o Aeroporto Internacional de Curitiba – Afonso Pena, localizado em São José dos Pinhais, a 18 km do centro da cidade. Outros meios para chegar a Curitiba são por via terreste, em ônibus ou carro.

 

Chegando em Curitiba de avião

Quem optar por chegar de avião contará principalmente com voos direto a partir de São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Londrina, Foz do Iguaçu, Cascavel, Maringá e Campo Grande. Não há voo direto de cidades da região norte e nordeste. Para quem vem dessas localidades, será necessário fazer escala ou conexão. O tempo de voo a partir de São Paulo é de apenas uma hora, enquanto de Brasília o tempo de voo é de 1h55.

Há várias opções para realizar o trajeto entre o Aeroporto Internacional Afonso Pena e os hotéis em Curitiba. Você poderá optar pelo ônibus comum, ônibus executivo ou táxi. Tudo vai depender do tempo que você tem disponível e de quanto gostaria de gastar.

 

Chegando em Curitiba de ônibus

É grande a oferta de ônibus para a cidade de Curitiba e pode ser uma boa opção especialmente para quem mora em localidades próximas, como São Paulo. O custo médio da passagem entre a capital paulista e Curitiba é de R$ 80 e a viagem tem 6h de duração.

A Rodoferroviária de Curitiba tem localização bastante central e facilita muito a vida do viajante. Ela está a apenas 2 km do Centro Histórico e conta com grande oferta de transporte, tanto táxi quanto ônibus. Na Rodoferroviária, é possível ter acesso ao ônibus Aeroporto Executivo e o Linha Turismo, além de linhas comuns urbanas.

 

Chegando em Curitiba de carro

O trânsito em Curitiba não é dos piores e para quem mora em regiões próximas pode ser uma boa opção viajar de carro até a capital paranaense. O trajeto de 400 km a partir de São Paulo tem média de 5h30 de duração.

As principais vias de acesso para Curitiba são: BR 116, ligação de Curitiba com São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul; BR 376 e BR 101, ligação com Palhoça – SC; e a BR 277, com ligação com o litoral paranaense.

Restaurantes em Curitiba

Pense rápido e diga um prato típico de Curitiba. Sabemos que a tarefa não é fácil. Muito se fala da gastronomia do nordeste, de Minas Gerais, do Amazonas… Mas é raro ouvir falar sobre a culinária curitibana. Entretanto, temos uma boa notícia! A cidade tem sim pratos típicos e podemos garantir que eles são deliciosos. Aventure-se pelo cardápio da capital paranaense e aproveite o friozinho constante para se deliciar em boas e quentes refeições. Mas se quiser fugir da tradição e simplesmente comer muito bem, não se preocupe! Curitiba tem grande oferta de bons restaurantes que dão a volta ao mundo em seus cardápios.

A história de Curitiba é formada por muitos imigrantes, especialmente alemães, poloneses, ucranianos, portugueses, espanhóis e italianos. Como não poderia deixar de ser, todos esses povos influenciaram bastante a gastronomia local. Junte a esse mix de nacionalidades os conhecimentos culinários dos índios carijós, originais da região, e você chegará à variada tradição culinária de Curitiba. É um grande caldeirão de sabores e nomes inusitados, coisa difícil de entender, mas fácil de saborear.
Um dos pratos mais típicos (e deliciosos) da região é conhecido como Barreado. O preparo começa com o cozimento — sempre em panela de barro — de uma porção de carne por mais de 12 horas.  A carne desfia e forma, com os temperos, um saboroso molho. Para comer, é preciso uma aula. Se for a sua primeira vez, certamente o atendente o ajudará a montar o prato. Ele fará a mistura do barreado com farinha de mandioca, rodelas de banana e laranja para acompanhar. Experimente o prato no Farnel, restaurante especializado em culinária paranaense no Centro Histórico de Curitiba. Vale até pegar um trem até Morretes, cidade vizinha especialista na receita. Deliciosa e ideal para os dias de inverno!

Típico da estação mais fria, o pinhão é a grande estrela da cidade e símbolo do estado do Paraná. Até mesmo no calçamento de Curitiba será possível ver o desenho de pinhões como decoração. O auge do produto é entre os meses de maio e julho, quando as araucárias (protegidas por lei) ficam repletas da semente usada na culinária local. É nesse período também que acontece a Festa do Pinhão, que marca a colheita e presenteia os moradores e visitantes com deliciosos pratos. Onipresente na culinária paranaense, o pinhão é ingrediente para todas as horas. Ele pode ser servido em forma de bolinhos, acompanhando massas e risotos, no doce da sobremesa e até na cerveja. É paixão entre os locais e ingrediente indispensável na culinária local.

Também populares entre os moradores, a carne de onça, o pão com bolinho e o costelão são obrigatórios para quem deseja uma verdadeira experiência curtibana. Mas você leu certo? Carne de onça? Sim! Ela é muito pedida tanto no almoço quanto no jantar. Vai muito bem com cerveja e como petisco. Mas não se preocupe. Nenhuma onça foi caçada para o preparo dessa iguaria. Carnes como filé mignon e patinho dão conta do recado. O prato é um mix de carne crua moída com temperos e acompanhada de cebola e cebolinha. O nome pode ser melhor explicado pelo forte odor que a cebola deixa após a degustação. O intenso sabor é dos melhores e um bom lugar para experimentar é no Bar do Alemão, localizado no Largo da Ordem. A receita, entretanto, é servida em vários lugares na cidade de Curitiba.

Já o pão com bolinho é o predileto para refeições rápidas. É o tipo de prato que agrega qualquer ingrediente. A base original é um bolinho de carne com pão, formando um delicioso sanduíche. O resto vai da imaginação de quem prepara. Para experimentar um bom exemplar tradicional, procure pelo menu do bar mais escondido da cidade, o Barbaran, onde cerveja e pão com bolinho formam uma maravilhosa dupla. Anualmente acontece o Festival do Pão com Bolinho, quando os restaurantes e bares oferecem novas variações da receita. Você pode até comer o pão com bolinho e pastel, apelidado de X-Montanha e vendido pela lanchonete Montesquieu.

Para quem tem estômago forte e costuma ficar na balada até de madrugada, os costelões são a melhor opção para repor as energias. É comida para levantar defunto e dar aquele gás depois de uma noitada. Costelões estão espalhados por toda a cidade e são a típica comida de barraquinhas de rua. Você comerá uma porção tamanho monstro de costelas pelo preço de um cachorro-quente.

Entre a culinária típica de outros países, o bairro de Santa Felicidade faz sucesso com os visitantes, especialmente o restaurante Madalosso. Com um delicioso rodízio de massas a preço muito acessível, você sairá de lá carregado, de tanto comer. Acredite, é impossível não exagerar nesse lugar. Se quiser um ambiente mais tranquilo, dê preferência ao Velho Madalosso, mas se estiver em um grupo grande, aproveite a bagunça do Madalosso original, um dos maiores restaurantes do mundo. Na cidade, há outras opções para experimentar a culinária italiana. Com proposta mais refinada, a Barolo Trattoria é boa pedida. Para quem busca preços mais acessíveis, o Spaghetto é ideal. No meio da correria do dia de passeio, vale também experimentar as deliciosas iguarias do Pizza, na descolada Rua São Francisco e em outras duas filiais pela cidade. O nome do lugar diz tudo. Você terá uma bela fatia de pizza, com massa fininha e cortada na tesoura. É um ótimo fast-food de delícias italianas.

Para a culinária alemã, vá ao Bar do Alemão, no Largo da Ordem. Os pratos são incrivelmente bem servidos e deliciosos. Antes de começar a comer, peça um submarino (drink típico do sul, com uma dose de Steinhäger em um copinho dentro de uma caneca de chope). Depois, aproveite um saboroso eisbein (joelho de porco). As porções são muito generosas e o ideal é ir acompanhado. Para uma comida tipicamente polonesa, experimente o pierogi (massa em formato de pastel, como um ravióli) com bigos (carne de porco com repolho) e de sobremesa não deixe pedir o folheado com creme chamado de Kremòwka, também conhecido como o doce do papa. Você poderá curtir o cardápio completo ao sair do Bosque do Papa, na casa de chá Kawiarnia Krakowiak. Se a preferência for pela culinária ucraniana, vá de borscht, a tradicional sopa de beterraba. Para um restaurante onde são servidos pratos tanto poloneses quanto ucranianos, procure o Durski. Se quiser uma experiência completa em meio a um belo cenário, reserve um horário de almoço para ir ao Nova Polska (distante 20 km do centro da cidade).

Curitiba oferece uma grande variedade de bons restaurantes, capazes de agradar a todos os paladares. Para preços em conta, entre nos cafés espalhados por toda a cidade. Boas pedidas são o New York Café, o Brookyn e o Lucca Cafés Especiais, onde são servidas refeições a preços justos, sempre com boa cerveja e, claro, cafés deliciosos. Se desejar uma experiência gastronômica, faça uma reserva no molecular Poco Tapas. Para um hambúrguer local, mas de fama nacional, sente-se nas mesas do Madero. Para um mix de boa música, comida e bebida, além de um clima divertido, experimente o Hard Rock Curitiba. Mas se a indecisão tomar conta, vá ao bairro Batel, onde as opções são excelentes até mesmo nos shoppings, como o Pátio Batel.

Há quem não goste de se sentar em restaurantes e prefira mesmo uma boa feira. Se você é um desses, não se preocupe. Você poderá experimentar de tudo no Mercado Municipal de Curitiba, onde barraquinhas vendem todo tipo de delícias locais. Aos domingos, vá até a Feirinha do Largo da Ordem e coma alguns quitutes. Mas se preferir mesmo um belo visual, monte a sua própria cesta de piquenique e corra para curtir o pôr do sol no Parque Tanguá ou no Jardim Botânico de Curitiba. Dentro ou fora do restaurante, você poderá saborear Curitiba.

 

Leva e Traz gratuito

Alguns restaurantes, shoppings, casas noturnas, teatros e hotéis de Curitiba oferecem um serviço de transporte gratuito para hóspedes e clientes. O Leva e Traz facilita a locomoção dos viajantes e, o melhor de tudo, você não pagará nada! Para utilizar o sistema é preciso fazer o trajeto entre dois estabelecimentos credenciados. O serviço está disponível de segunda a sábado, sempre de 19h30 a 23h30. O agendamento para o transporte deve ser feito pelo responsável no hotel ou no estabelecimento conveniado entre 7h30 e 18h30 do dia que será utilizado. Fácil, seguro e de graça! Veja mais sobre o Leva e Traz de Curitiba.

 

Dicas de Curitiba

  • A cidade de Curitiba é relativamente segura, mas há muito deixou de ser aquele paraíso divulgado anos atrás. Ao caminhar pelo Centro e Centro Histórico, fique atento aos pertences. Apesar da aparente calmaria, Curitiba apresenta todos os problemas de uma cidade grande.
  • O clima de Curitiba é realmente instável. Em um só dia, você poderá passar pelas quatro estações do ano. Vista-se sempre em camadas, com roupas que sirvam para o frio e para o calor. Guarda-chuva na bolsa é sempre uma boa ideia. Previsão do tempo não funciona muito bem por lá.
  • Nunca deixe de sair por causa da chuva. Curitibanos vão até à praia em dias chuvosos. Entre na onda e saia do hotel com ou sem sol. 
  • Circular pela cidade é fácil e o trânsito é muito tranquilo se comparado a metrópoles como Rio de Janeiro de São Paulo. Em caso de dúvidas, mapas distribuídos nos pontos turísticos e aplicativos de locomoção, como o Google Maps, poderão ser muito úteis. Na dúvida e na emergência, não hesite em pegar um táxi. Eles têm custo baixo na cidade e não serão um prejuízo.
  • Os curitibanos têm fama de antipáticos, mas isso pode ser explicado pelo constante clima fechado e alto índice de chuvas. Basta abrir o sol para os sorrisos aparecerem. Não leve essa história de mau humor a sério e curta o “clima” dos moradores.
  • Curitibanos prezam muito pela cidade limpa, coisa que deveria ser hábito nacional. Por isso, nem pensar em jogar lixo no chão. Leve esse comportamento para a sua vida e não só para Curitiba.
  • Caso ouça uma palavra fora de contexto, não hesite em perguntar o significado. Os moradores têm linguajar próprio, muitas vezes incompreensível para os forasteiros. 
  • O DDD de Curitiba é 41.
  • A voltagem em Curitiba é 110V. 

 

 

Fonte:

Melhores Destinos

Meu Menu Urbano

Bar Do Alemão

Barbaran 

Montesquieu

Madalosso

New York Cafe

Poco Tapas

Condorhotel

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado