Cânions do Xingó

Os Canions do Xingó (ou Cânions do Rio São Francisco) formam uma paisagem que qualquer país faria a maior propaganda turística, mas que, dentre os tantos lugares lindos que o Brasil tem, fica meio esquecido. Esquecido e até mesmo desconhecido. Acho que 90% das pessoas que me perguntaram para onde eu ia no feriado responderam à minha resposta com algo do tipo “onde é isso”?

Esse lugar maravilhoso, para o nosso orgulho, fica no Brasil, mais especificamente no Estado do Sergipe, quase na divisa com Alagoas. Aliás, para chegar até lá há duas principais opções: ir de Aracaju ou de Maceió. Do mesmo jeito, as cidades base para o passeio podem ser escolhidas nos dois estados.

Os cânions são uma paisagem natural, mas formada com a intervenção humana. Com a construção da usina hidrelétrica do Xingó, o leito do Rio São Francisco foi represado e o nível das águas subiu quase até o topo das montanhas. Assim, o chamado “canion” não é formado por uma erosão nas rochas, como pode sugerir o nome, mas pelos topos das montanhas alagadas após a subida do nível do rio.

Como visitar

Apesar de ser no interior do Sergipe, em pleno sertão nordestino – e muita gente achar que pode ser um perrengue o esquema para visitar o lugar -, nós fizemos uma viagem super tranquila.

Há duas formas diferentes de visitar:

Bate-e-volta de Aracaju. A grande maioria dos turistas visita o lugar com passeios bate-e-volta contratados em Aracajú, mas, sinceramente, acho que deve ser bem corrido e cansativo enfrentar o percurso de estrada de ida e volta. A empresa mais famosa que faz  passeio é o NozesTur, que não usamos, então não posso dar opinião.

De carro e hospedando-se uma noite na região. Partindo Aracajú, seguindo o caminho do Google Maps e chegasse  até lá em menos de 3 horas, percorrendo estradas asfaltadas e em estado de conservação regularmente bom.

O percurso de carro já é um turismo em si, pois ao chegar na parte do sertão nordestino a estrada vai cortando diversas cidades e é possível observar um Brasil totalmente diferente do que quem vive em grandes cidades está acostumado.

As duas cidades mais populares e com melhor infraestrutura turística para hospedagem na região são Canindé do São Francisco, no lado sergipano, e Piranhas, no lado alagoano.

Caso vá se hospedar em Canindé do São Francisco, sem problemas, porque o Google Maps acha tranquilamente.

Caso seu destino final seja Piranhas, tome cuidado porque o lugar que o Google Maps localiza como Piranhas é um pouco mais a frente da cidade em si.

Se for ficar em Piranhas, o melhor local para se hospedar é na cidade velha, então uma opção é colocar a Rua Campo Grande. Você chegará em Piranhas nova, aí é só ir seguindo em frente pela mesma estrada que você chegará em Piranhas velha, que fica perto da beira do Rio São Francisco. O Google Maps dá uma volta muito grande caso você coloque algum endereço de Piranhas velha. Outra opção pode ser jogar o Museu do Cangaço.

Caso você não esteja em um passeio bate-e-volta de Aracajú, surgem outras duas formas de realizar o passeio em si:

De catamarã: diariamente e em vários horários saem catamarãs para percorrer o rio e os cânions, com ponto de partida e chegada no restaurante Karrancas, na cidade de Canindé do São Francisco. O passeio custa R$84,00 por pessoa (todos os valores mencionados são de abril/2015) e o catamarã pode chegar a acomodar 60 pessoas ou mais nos períodos de alta temporada.

O trajeto de ida dura 1 hora, há 1 hora para aproveitar o lugar e o trajeto de volta dura mais 1 hora.

– De lancha: a opção por um passeio mais privado é contratar uma lancha. As lanchas acomodam até 10 pessoas e fazem o mesmo trajeto do catamarã. A diferença é que o trajeto de ida dura 30 minutos, há uma hora para aproveitar o lugar e o trajeto de volta dura mais 30 minutos.

O valor da lancha é de R$125,00 por pessoa e a lancha não sai com menos de 4 pessoas, ao menos que você frete a lancha inteira. O primeiro horário de partida é o mesmo do catamarã, ou seja, apesar do seu trajeto ser um pouco mais privado, no lugar você estará com todas as pessoas que optaram pelo catamarã.

O valor para fretar a lancha privativa é de R$1.250,00 e, nesse caso, o horário de partida pode ser escolhido por você.

Como o primeiro passeio de catamarã saí às 8:30h (e chega nos cânions às 09:30),  podesse  marc a saída da lancha para as 8:00 (com chegada nos cânions às 08:30), assim terá mas tempo nos cânions.

E foi exatamente o que aconteceu!!!

O próprio trajeto até lá já é lindíssimo, com a paisagem ao longo do Rio São Francisco.

Mas é ao chegar ao Paraíso do Talhado que a paisagem fica espetacular! Em algumas fotos pela internet você poderá ver uma variedade de cores que o rio,  algumas com cores mais verdes, outras menos verdes e não sabia direito se eram truques de imagens. Entendi ao chegar lá que todos esses tons são reais e a cor do rio muda dependendo do lugar, da posição do sol etc.

O ponto final do catamarã é um pequeno deck flutuante, onde há uma área delimitada para natação e de onde se embarca em pequenas canoas para percorrer a Gruta do Talhado.

Se você for cedo, não tera nenhum fila para embarcar nas canoas e os canoeiro estarão sem pressa. Conseguira percorrer todo o percurso da gruta, com aquela água verde e paredões alaranjados.

No final da passagem, há uma espécie da prainha de areia. Ali a canoa dá meia volta e retorna para o deck, mas alguns canoeiro dizem que de lá saia uma escada que dava que dava acesso ao topo dos paredões e perguntara se queira subir.

Valeu muito a pena porque a paisagem é linda, mas caso queira fazer, não esqueça de levar ao menos um chinelo, porque a trilha se dá no meio da caatinga, entre as diversas espécies de cactus.

Por cima dos paredões

Paraíso do Talhado visto de cima

Paraíso do talhado visto de cima

No percurso de volta para Piranhas passe, ainda, no Museu de Arqueologia do Xingo – MAX. O museu é pequeno, mas tem coisas bastante interessantes, como artefatos e esqueletos de habitantes da região da época paleolítica.

Logo de frente para o museu estão as barragens da Usina do Xingó e do museu mesmo já é possível observá-la.

FONTE:

https://diariosdeferias.wordpress.com/2015/06/17/canions-do-xingo-ou-do-rio-sao-francisco/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado