Buenos Aires

Buenos Aires  a capital e maior cidade da Argentina, além de ser a segunda maior área metropolitana da América do Sul, depois da Grande São Paulo. Ela está localizada na costa ocidental do estuário do Rio da Prata, na costa sudeste do continente. A conurbação da Grande Buenos Aires, que também inclui vários distritos da Província de Buenos Aires, constitui a terceira maior aglomeração urbana da América Latina, com uma população de cerca de 13 milhões de pessoas.

A cidade de Buenos Aires não é parte da Província de Buenos Aires e nem é sua a capital, mas um distrito autônomo. Em 1880, depois de décadas de luta política, Buenos Aires foi federalizada e separada da Província de Buenos Aires. Os limites da cidade foram ampliados para incluir as cidades de Belgrano e Flores, ambas agora bairros da cidade. A emenda constitucional de 1994 concedeu a autonomia política a cidade, daí o seu nome formal: Ciudad Autónoma de Buenos Aires (em português: Cidade Autônoma de Buenos Aires). Seus cidadãos elegeram pela primeira vez um chefe de governo (ou seja, o prefeito) em 1996. Antes, o prefeito era diretamente nomeado pelo Presidente da República.

Por algumas formas de comparação, Buenos Aires é uma das 20 maiores cidades do mundo.6 Ao lado da Cidade do México e de São Paulo, é Buenos Aires uma das três únicas cidades latino-americanas consideradas uma cidade global alfa. A Argentina tem a terceira melhor qualidade de vida na América Latina. A qualidade de vida na cidade de Buenos Aires é classificada como sendo a 81ª melhor do mundo, sendo que sua renda per capita está entre as três mais altas da região. A capital argentina é uma das mais importantes e mais populosas entre as capitais sul-americanas, muitas vezes referida como a Paris da América do Sul.

Buenos Aires é um dos mais importantes destinos turísticos do mundo,11 é conhecida por sua arquitetura de estilo europeu e por sua rica vida cultural, com a maior concentração de teatros do mundo. Buenos Aires vai sediar a Jogos Olímpicos de Verão da Juventude de 2018. As pessoas nascidas em são referidas como os portenhos (pessoas do porto). A cidade é a terra natal do atual papa, Francisco (ex-arcebispo de Buenos Aires), e de Máxima dos Países Baixos, a atual rainha-consorte da realeza neerlandesa.

Buenos Aires é uma cidade fascinante e amigável com os turistas. As atividades culturais, restaurantes, museus, passeios, compras, vida noturna e muito mais para descobrir em Buenos Aires. A população de Buenos Aires é de cerca de 3 milhões de pessoas. A população total da cidade e área metropolitana, é de 14 milhões de pessoas.

Buenos Aires  sempre foi uma cidade de portas abertas.Os seus habitantes são chamados “portenhos”, gentilício que faz referência à condição portuária da cidade. O habitante da província de Buenos Aires é chamado “bonaerense”.

O que faz da Argentina um destino tão procurado por brasileiros é ser uma espécie de Europa a poucas horas de casa e que cabe nos mais variados bolsos. Buenos Aires e Córdoba, suas maiores cidades, são cosmopolitas e agradáveis, com ótimos restaurantes, parques elegantes e charmosas lojas oferecendo preços justos. Na capital, assistir a uma partida entre River Plate e Boca Juniors explicaria por que o futebol nesse país é tratado como religião (mas por ora infelizmente esse é um espetáculo difícil de acontecer, já que o River caiu para a segunda divisão em 2011). Ainda em Buenos Aires, prove uma das melhores carnes de sua vida, seja na concorrida Puerto Madero ou em algum encantador restaurantezinho de Palermo. Nos contrafortes andinos, a região de Mendoza abarca algumas das melhores produções vinícolas do continente e é a plataforma perfeita para explorar o Cerro Aconcágua, a mais alta montanha do planeta fora da Ásia.

Um pouco mais ao sul, a Patagônia traz a combinação de neve e frio que tanto nos fascina. Em Bariloche e Las Leñas o desafio pode vir das excelentes pistas de esqui, no inverno, ou de cavalgadas e canoagem no verão, enquanto em El Calafate paisagens dramáticas que combinam lagos, geleira e picos de granito fazem a alegria de praticantes de esportes ao ar livre. Isso sem contar a majestosa geleira Perito Moreno e as montanhas ao redor de El Chaltén, listadas como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, no Parque Nacional Los Glaciares. Já na meridional Ushuaia, uma rica fauna composta de pinguins, orcas e leões-marinhos ocuparão os fotógrafos, que de lá não saem sem excelentes recordações. Tango, vinho, futebol e alfajores, a Argentina tem tudo aquilo que cai bem ao nosso gosto

Como Chegar 

Voos diretos do Brasil para a Argentina pousam no Aeroporto Internacional de Ezeiza (www.aa2000.com.ar), a 35 quilômetros de distância de Buenos Aires (cerca de 45 minutos), e também no Aeroparque Jorge Newbery, próximo ao centro da capital. A Aerolíneas Argentinas e a TAM têm voos diários saindo de São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. A Gol também opera voos diários de São Paulo e Porto Alegre. A Lan tem duas partidas por dia dia a partir da capital paulista.

No aeroporto de Ezeiza há táxis comuns (AR$ 128 a corrida para o Centro), micro-ônibus e ônibus (micro ou colectivo, em espanhol) – a linha 8 vai para o Centro, mas é demorada e funciona somente até as 23h. Importante: em Buenos Aires, as passagens podem ser pagas apenas com moedas (pesos argentinos). Você também pode optar pelos remises, táxis especiais que cobram um preço fixo para levar os passageiros a um destino determinado.

Como Circular 

A lendária Ruta 40 (www.ruta40.gov.ar) corta a Argentina de norte a sul por cerca de 5 mil quilômetros, correndo paralela à Cordilheira dos Andes. Além das estradas de alta velocidade, o país possui rodovias secundárias, cuja situação varia bastante. Nas regiões de montanha é bom ter experiência em dirigir na neve. Para dirigir na Argentina, basta apresentar a habilitação brasileira. As principais empresas de ônibus da Argentina são a Andesmar (www.andesmar.com), a Chevallier (www.nuevachevallier.com), a El Rápido International (www.elrapidoint.com.ar), a Via Bariloche (www.viabariloche.com.ar) e a Crucero Del Norte (www.crucerodelnorte.com.ar). Apesar de haver poucas linhas, os trens costumam ser mais baratos que os ônibus na Argentina (são mais lentos também). As principais empresas são as Ferrobaires (www.ferrobaires.gba.gov.ar), a TBA (www.tbanet.com.ar) e a Trenes del Litoral (www.trenesdellitoral.com.ar).

Que tal atravessar o Rio da Prata e esticar a viagem em território uruguaio? Diariamente saem barcos do porto de Buenos Aires para Colonia Del Sacramento e Montevidéu. A Buquebus (www.buquebus.com) tem barcos rápidos e lentos. A complexidade da Cidade de Buenos Aires requer um sistema de transporte e de acessos à cidade igualmente complexo e extenso. A cidade não apenas necessita de um sistema de transporte para quem habita nela, como também para os habitantes do aglomerado que se transportam à cidade principalmente por motivos de trabalho.

O meio de transporte de maior uso é o coletivo (ônibus), já que, com mais de 180 linhas, permite não só conectar diferentes pontos da cidade mas, também, alcançar diferentes partidos da província de Buenos Aires. O outro meio massivo utilizado para acessar a cidade é a rede ferroviária, já que todas as linhas férreas do país confluem em Buenos Aires. Algumas destas linhas têm conexão com o metrô, o que permite um traslado relativamente fluido a partir da região metropolitana bonaerense até diferentes zonas da cidade. Os trens também são usados pelos portenhos como meio de deslocamento rápido dentro da cidade. O Metropolitano de Buenos Aires conta com seis linhas em funcionamento, com um percurso superior aos 40 km.

Onde Ficar 

Não faltam boas opções de hospedagem na Argentina. Seja em Salta ou na Patagônia, há sempre uma pousada ou pequeno hotel familiar bem bacanas, com serviço prestativo, infraestrutura moderna e cafés da manhã excelentes. Nas grandes cidades a pedida são os hotéis de rede, entre eles NH (www.nh-hotels.com) e Accor (www.accorhotels.com), bem propícios para viagens a negócio ou para quem não quer surpresa. Em Buenos Aires, prefira aqueles mais centrais. mas cada grande operadora de turismo tem parcerias com estabelecimentos em separado, seja ele um Marriott, Best Western ou independente.

Sugestão de Roteiros

A grande maioria dos brasileiros tem uma boa introdução ao país conhecendo sua capital, normalmente em pacotes que vão de três a cinco noites. Isso é tempo mais que suficiente para conhecer bem a cidade.

A partir daí, vá conhecendo a Argentina aos poucos, fatiada, mesmo porque é impossível conhecê-la de uma só vez. O noroeste pode ser coberto com um tour de uma semana por Jujuy, Salta e Cafayate. Mendoza, nos contrafortes dos Andes, também pode ser conhecida em uma semana, em um ritmo bem calmo e contemplativo. Mais ao sul da Patagônia, um roteiro que combine El Calafate, El Chaltén, Puerto Madryn, Península Valdez, Ushuaia e Torres del Paine, no Chile, leva de sete a quinze dias. Já Bariloche, sempre lembrada como resort de inverno, é um lugar bem bacana para conhecer também no verão e no outono, combinando com uma travessia dos lagos andinos, indo ou vindo do Chile. E, não esqueçamos, como as províncias de Corrientes e Misiones fazem fronteira com o Brasil é literalmente um pulo ir lá conhecê-las. Entre as principais atrações estão Foz do Iguaçu e as missões jesuíticas, destinos também compartilhados conosco.

 

Fica a 1630 quilômetros ao norte de outro importante destino turístico argentino, a cidade de Bariloche. Os shows de tango são um dos principais atrativos da cidade, até porque constituem uma das características mais afamadas da cultura argentina. São muitas as casas de espetáculos que apresentam shows variados de dança e música, muito procurados por quem faz turismo na cidade.

Buenos Aires oferece mais de 200 possibilidades de alojamento que representam 36 000 praças disponíveis. Existem 17 hotéis cinco estrelas, 53 hotéis quatro estrelas, 42 hotéis três estrelas e 64 estabelecimentos de duas e uma estrela, e também 27 apart-hotéis. Estes hotéis se encontram instalados em sua maioria na zona central da cidade, com fácil acesso aos principais pontos turísticos. Também existem muitas hospedagens e alojamentos alternativos, para quem busca algo mais econômico. Estes estabelecimentos geralmente estão situados em bairros mais distantes, mas o sistema de transporte permite o traslado de uma forma fácil e econômica. Como a cidade é um polo universitário, existe uma grande quantidade de albergues juvenis e residências universitárias com custos acessíveis para os estudantes, provenientes tanto do interior do país como dos países limítrofes. Os lugares turísticos mais importantes se encontram no Centro Histórico da Cidade, setor formado praticamente pelos bairros de Monserrat e San Telmo. A cidade começou a se construir ao redor da Praça Maior, hoje Plaza de Mayo (Praça de Maio), onde as instituições administrativas da Colônia estavam instaladas.


A Avenida de Maio é considerada o Eixo Cívico, já que une a Casa Rosada com o Palácio do Congresso, sedes do Poder Executivo e do Poder Legislativo, respectivamente. Por esta avenida podem ser observados alguns edifícios de grande interesse cultural, arquitetônico e histórico: se encontram instalados a Casa da Cultura, o Palácio Barolo e o Café Tortoni, entre outros. Abaixo desta avenida corre a Linha A do metrô de Buenos Aires que, ao ser inaugurado em 1913, se converteu no primeiro da Ibero-América. Ao chegar ao final da artéria pode-se observar um conjunto de praças, decoradas com vários monumentos e esculturas, entre as quais se encontra uma cópia assinada de O Pensador de Rodin. Nas cercanias destas praças se encontram o Palácio do Congresso e o edifício da Confeitaria El Molino. No Centro Histórico pode-se visitar, além disso, a Manzana de las Luces. Ali se encontram alojados vários edifícios com grande valor histórico, como a Igreja Santo Inácio e a sede do Colégio Nacional Buenos Aires. Pode-se ainda observar os túneis ocultos que corriam a cidade durante a época colonial ou o edifício onde funcionou o Concelho Deliberante, de 1894 a 1931.

 

Esportes 

O esporte mais popular na cidade, como em todo o país é o futebol, e grande parte das equipes com maior história no Campeonato Argentino de Futebol residem na cidade. Em Buenos Aires se encontram vários dos clubes de futebol mais importantes do país: Boca Juniors, River Plate, Vélez Sarsfield, San Lorenzo, Argentinos Juniors e All Boys, que jogam na Primeira Divisão. E alguns que jogam na Primera “B” Nacional como Huracán, Chacarita Juniors, Ferro Carril Oeste, além de Nueva Chicago, Atlanta e Barracas Central, que participam na Primeira B Metropolitana. Na Primeira C atualmente Sacachispas é o representante portenho na categoria e, na Primeira D estão Yupanqui, Deportivo Paraguayo e Deportivo Riestra.

Existem além de instituições que dispõem de infraestrutura para a prática de outros esportes como o basquete (Liga Nacional A) ou o tênis (onde o Buenos Aires Lawn Tennis Club é a sede do único torneio ATP disputado no país, o ATP Buenos Aires). Existem também outros locais para a prática de esportes como o Luna Park (no que se destacam os torneios de boxe) e o novo Estádio Multiesportivo Parque Roca (que é utilizado para a Copa Davis de Tênis).

A Cidade de Buenos Aires foi sede de várias competições internacionais: dois de seus estádios o River Plate e o Vélez Sársfield, abrigaram a Copa do Mundo FIFA de 1978, em várias ocasiões a Copa América do mesmo esporte, foi sede dos primeiros Jogos Pan-americanos disputados entre os dias 25 de fevereiro e 9 de março de 1951, perdeu por apenas um voto a eleição para abrigar os Jogos Olímpicos de Melbourne em 1956, ficou entre as 5 melhores sedes para os Jogos Olímpicos de Atenas, também competiu em outras oportunidades para organizar esta competição, abrigou dois mundiais de basquete (1950 e 1990), o Campeonato do Mundo de Polo de 1987 e o Autódromo Oscar Alfredo Gálvez foi sede por vinte vezes do Grande Prêmio da Argentina de Fórmula 1 e por 10 vezes do Grande Prêmio da Argentina de Motociclismo. Em 2006 foi sede dos VIII Jogos Sul-Americanos. E em 2002 foi a sede do Mundial de Vôlei da FIVB já tendo sediado o evento em 1982.

Destaques

– Tirar fotos da rica fauna marinha do Atlântico Sul em Puerto Madryn e Comodoro Rivadavia;

– Caminhar sobre gelo centenário no glaciar Perito Moreno, em El Calafate, e admirar os picos de granito em El Chaltén;

– Provar rótulos de vinho que nunca chegam por aqui em Mendoza e Salta;

– Entrar em uma roda de mate e degustar um autêntico asado nos campos do interior;

– Sentir o charme dos resorts de esqui.

Passeios em Buenos Aires: Tigre e Delta, Cemitério da Recoleta, Bosques de Palermo, Rua Caminito em La Boca, Hipódromo de Palermo, Livraria Ateneo, Teatro Colon, Cidade de La Plata, Tierra Santa,Jardim Japonês, Jardim Zoológico, Museu da Ciência, Parque da Costa, Temaikén, Museu das Crianças,Colonia em Uruguai, Zoológico de Luján, Estádio de Boca, Estádio River, Rua Florida, Casa Rosada, Cafe Tortoni.

Roteiros a pé: La Boca, Recoleta, Puerto Madero, Palermo, Plaza de Mayo, San Telmo, Avenida de Mayo.

Show de tango em Buenos Aires: Senhor Tango, Esquina Carlos Gardel, La Ventana, Tango Porteño,Piazzolla Tango, El Viejo Almacén, Sabor a Tango, El Querandi, Madero Tango, Señor Tango.

Excursões com agências de viagens: City Tour, Tigre e Delta Tour, Fiesta Gaúcha, Bus Turístico.

Feiras e feirinhas: Feira da Recoleta, Feira de Palermo Soho, Feira de Mataderos, Feira de San Telmo.

 

Referências: http://airesbuenosblog.com/
http://www.buenosairesturismo.com.br/informacoes-turistica.php
http://viajeaqui.abril.com.br/paises/argentina

    

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado