Bangkok

A Tailândia é um país encantador maravilhoso, com templos budistas, fauna exótica e ilhas espetaculares. Junto com uma história fascinante e uma cultura única, que inclui a deliciosa comida tailandesa e massagens terapêuticas, possui uma capital moderna e uma população receptiva que personifica a reputação da Tailândia de ser a “terra dos sorrisos”.

Conhecer a Tailândia é como abrir a cortina para um novo mundo. Só com a mente receptiva e os sentidos afinados somos capazes de absorver os cheiros, cores, sabores e gestos que nos bombardeiam a cada passo, sempre numa intensidade maior do que esperam os nossos parâmetros ocidentais. Esse turbilhão de sensações inéditas proporciona a cada forasteiro a estranha sensação de ser o primeiro a pisar cada palmo de areia branca, selva ou asfalto – mesmo cercado de uma multidão de faràngs igualmente deslumbrados.

Enquanto cerca de 95% do povo tailandês é praticante do budismo, a tolerância religiosa é de praxe na Tailândia e protegida pela Constituição. Por sua própria natureza, o budismo, que é baseado nos ensinamentos do Buda, “o iluminado”, é uma religião compassiva e tolerante, cujo objetivo é o alívio do sofrimento. Consequentemente, os tailandeses respeitam as crenças religiosas dos outros e são muito abertos para discutir seus valores budistas com os visitantes. Na verdade, há muitas oportunidades na Tailândia para visitar templos budistas para conhecer ou estudar o budismo e até aprender a meditar.

Uma visita a uma praia ou a uma das muitas ilhas da Tailândia é uma oportunidade para relaxar, conhecer a exótica vida marinha ou mesmo aprender a mergulhar. No entanto, em toda a Tailândia, seja em uma praia, ilha ou parque nacional, o visitante vai descobrir flora e fauna únicas e zonas ecológicas distintas, desde as florestas temperadas das montanhas do norte e as planícies da região central da Tailândia até as savanas do nordeste e as florestas de mangue do litoral sul. Animais na Tailândia incluem não só os elefantes e macacos, mas também ursos e tubarões-baleia, o maior peixe do mundo. Os interessados em trekking, mountain bike, fotografia, observação de pássaros, camping, mergulho ou apenas estar próximo de animais exóticos, na Tailândia, têm diversas opções para escolher.

Como Chegar

Não há voos diretos entre a Tailândia e o Brasil. Algumas das opções disponíveis são conexões em outros países, com companhias aéreas como Emirates (www.emirates.com.br, via Dubai), British Airways (www.britishairways.com, via Londres), Air France (www.airfrance.com.br, via Paris) e Swiss (www.swiss.com, via Zurique). Se já estiver na Ásia, há diversos voos disponíveis com a tailandesa Thai Airways e também com ANA, JAL, AirAsia, Cathay e Air China, entre outros.

A principal porta de entrada para o país é o Aeroporto Internacional de Bangkok-Suvarnabhumi, mas há também serviços internacionais diretos para Chiang Mai, no norte, e Phuket, no sul. Via terrestre também é possível cruzar a fronteira a partir de Laos, Camboja, Malásia e Mianmar, sendo que neste último o controle é mais rígido e os serviços bem irregulares.

Onde Ficar

Bangkok Travelers Phayathai

Com localização conveniente a apenas 1 minuto a pé da estação Phaya Thai, de conexão entre o BTS (metrô de superfície) e a linha expressa do aeroporto, o Bangkok Travelers Phayathai oferece apartamentos confortáveis com vista para a cidade. O WiFi gratuito está disponível nas áreas comuns. Os apartamentos confortáveis dispõem de cozinha, área para refeições e um sofá na área de estar, bem como TV a cabo e geladeira. O banheiro privativo inclui chuveiro, secador de cabelo e amenidades de banho gratuitas.

No Bangkok Travelers Phayathai, você pode dar um mergulho rápido na piscina da cobertura ou se exercitar na academia. O estacionamento também está disponível no local por um custo adicional.

O apartamento fica a 1,5 km do shopping center Platinum e a 3,9 km da Casa de Jim Thompson (Museu) e do Centro de Arte e Cultura de Bangkok. Diversas lojas de departamentos favoritas de Bangkok, como a Siam Paragon, a Central World Plaza e o MBK Shopping Mall, ficam a apenas 10 minutos via BTS Skytrain (metrô de superfície). Já o Aeroporto de Suvarnabhumi está a 32,8 km da propriedade. Pathumwan é uma ótima escolha para viajantes interessados em roupas, compras egastronomia.

Luz Hostel 

Dispondo de WiFi gratuito e terraço, o Luz Hostel apresenta acomodações em estilo dormitório, em Bangkok, a 300 m do Nana Plaza e 600 m da Estação BTS Skytrain Nana. Para sua comodidade, o WiFi gratuito está disponível. Todos os modernos quartos do Luz Hostel incluem ar-condicionado, beliches, armários individuais, TV e acesso a banheiros compartilhados. Além disso, a propriedade oferece recepção 24 horas e serviço de lavanderia.

O Luz Hostel fica a 600 m da Embaixada Central e a 1,2 km do shopping center Gaysorn Plaza. Outros importantes shopping centers pode ser alcançados de skytrain (metrô de superfície), e o Aeroporto Don Muang está a 20 km de distância.Como o albergue fica no bairro de Sukhumvit, uma grande variedade de restaurantes e locais de entretenimento estão disponíveis a poucos passos. Wattana é uma ótima escolha para viajantes interessados em vida noturna, roupas e gastronomia.

The Yard Hostel

A poucos passos da Estação BTS Skytrain Ari (metrô de superfície), o The Yard Hostel dispõe de uma área comum e um jardim. O WiFi gratuito está disponível nas áreas comuns. Os quartos são privativos ou em estilo dormitório e contam com ar-condicionado, e os banheiros compartilhados estão equipados com chuveiro. O The Yard Hostel possui uma recepção 24 horas e um bar no local.

Nos arredores da propriedade, você pode encontrar um supermercado e uma grande variedade de restaurantes internacionais e locais, além de um mercado local. O famoso Chatuchak Weekend Market (mercado ao ar livre) está a 5 minutos de trem. Já o Aeroporto Internacional de Suvarnabhumi está situado a 35 km do albergue.

Como Circular 

BTS – Skytrain

O famoso e moderno Skytrain funciona das 6h até a meia-noite. O bilhete que dá direito a uma viagem custa entre THB 15 e THB 42, de acordo com o destino a ser acessado. Comprá-lo por meio das máquinas, disponibilizadas nas estações, é muito fácil. Basta ter moedas de THB 1, THB 5 ou THB 10 à disposição (caso não tenha, você pode trocar o dinheiro em guichês situados ao lado das máquinas).

Em seguida, é só escolher o destino final+a tarifa exibida em um quadro (fare information), pressionar o botão com o número correspondente, inserir as moedas e aguardar a impressão do bilhete. Para facilitar a vida do visitante, todas as instruções estão em inglês.

O Que Fazer

Por ser um importantíssimo hub asiático, muitos encaram Bangcoc como ponto de partida para outros destinos e, por esse motivo, acabam não reservando tempo adequado para explorar a cidade. A verdade, porém, é que a capital tem uma quantidade enorme de atrações interessantes, sendo dois ou três dias pouco suficientes para aproveitar tudo o que ela tem de bom para oferecer.

Jim Thompson House 

Na elegante casa de madeira cercada de árvores e belos jardins morou James Harrison Wilson Thompson – ou simplesmente Jim Thompson, como ficou popularmente conhecido o ex-militar americano que se apaixonou pela Tailândia e também foi um dos maiores promotores da seda produzida no país para o mundo.

A  construção, situada às margens do canal Saen Saeb, é um verdadeiro complexo arquitetônico formado por seis casas em estilo tailandês. Mobiliário original e várias peças de arte também estão por todos os lados e refletem as preferências do antigo dono, que era arquiteto de formação e um grande amante das artes. Thompson desapareceu misteriosamente em uma floresta da Malásia, em 1967.

A Ponte do Rio Kwai

Quase na fronteira da Tailândia com o Myanmar (mais precisamente na cidade de Kanchanaburi), encontra-se a histórica ponte erguida sobre o rio Kwai Yai. Por ser uma atração que fica a 125km de Bangcoc – sendo possível ir e voltar no mesmo dia -, a cidade atrai visitantes que desejam ver de perto a estrutura erguida às custas das vidas de vários prisioneiros de guerra, cujos famosos arcos permanecem de pé até os dias de hoje.

A ponte é parte integrante da conhecida Ferrovia da Morte: construída durante a Segunda Guerra, depois de a Tailândia declarar guerra a Grã-Bretanha/Estados Unidos e também ser invadida pelas tropas japonesas. De acordo com os planos iniciais, a construção da ferrovia, que ligaria o país a Mayanmia, deveria durar cinco anos, mas não passou de três. No Cemitério de Guerra de Kanchanaburi estão enterrados 7 mil prisioneiros que perderam suas vidas nessa empreitada.

 Chinatown

A visita a Bangcoc não fica completa sem uma passadinha por Chinatown (Yaowarat Rd), uma avenida local cujas atrações diurnas são as lojas, muitas delas famosas por venderem artefatos de ouro. Porém é quando o sol se põe que a área chama ainda mais atenção, não somente pela grande quantidade de placas luminosas e pelo movimento, mas também por se transformar em um verdadeiro centro gastronômico da cidade.

Os restaurantes/barracas de comida dessa rua são extremamente simples, com mesas e cadeiras nas calçadas, mas o menu de iguarias locais é extenso. Escolha um desses lugares, experimente uma ou várias delícias e aproveite a atmosfera da avenida. Lembramos que os preços são supercamaradas.

Gastronomia

“Comer bem” faz parte da cultura tailandesa e isso é algo que fica bastante evidente em Bangcoc, uma cidade extremamente gourmet. Na capital você encontrará uma quantidade enorme de restaurantes e barracas que vendem e servem o melhor da gastronomia do país, além de estabelecimentos especializados em comida internacional e fast food, opções para os que não gostam de sabores exóticos ou têm alguma restrição alimentar.

Leite de coco, molho de peixe, capim-limão, manjericão-tailandês, ervas aromáticas e especiarias estão entre os ingredientes utilizados no preparo de pratos tradicionais, famosos por combinarem diferentes sabores – doce, salgado, azedo e apimentado. O noodles de arroz e o arroz propriamente dito são dois elementos que não podem faltar em uma tradicional cozinha tailandesa.

Para quem não conhece muito a culinária do país, a nossa dica são pratos famosos como o Pad Thai, macarrão de arroz salteado com camarões, queijo tofu, entre outras carnes, além de ovos e condimentos como alho e pimenta. Sopas com noodles também são muito apreciadas, a exemplo da Sen Lek, que leva pedaços de porco, brotos de feijão cozidos e que fica ainda mais deliciosa com uma pitada a mais de chilli. Já o Gang Keow Wan é um prato à base de pasta verde de curry, bambu, leite de coco, frango e manjericão-tailandês. Simples e divino.

Mercado Flutuante Damnoen Saduak

Já imaginou poder fazer compras em um mercado flutuante? Próximo a Bangcoc está Damnoen Saduak, o mais famoso de todos, onde é possível ver de perto como funciona o inusitado sistema de compra e venda de mercadorias. Sempre repleto de turistas, o mercado da província de Ratchaburi pode ser percorrido a pé, pelas bordas – com várias opções de lojas e restaurantes -, ou alugando um barco (500 THB por pessoa).

Nesse mercado você vai encontrar de tudo um pouco: frutas, comidas típicas e várias opções de suvenires da Tailândia. O problema do local, entretanto, são os preços, um pouco mais elevados do que de costume; isso provavelmente se deve ao fato de o mercado atrair uma enorme quantidade de turistas.

Khao San Road 

Pequenos hotéis e albergues com preços atraentes fizeram a fama desta rua situada no distrito de Banglamphu, o refúgio dos mochileiros em Bangcoc. O local, e toda a área em volta, tem muito mais a oferecer, pois está cheia de bares superanimados  com mesas nas calçadas , além de restaurantes e casas de massagem.

Além disso, na rua, que acaba sendo uma excelente opção de programa noturno, o visitante vai encontrar várias barracas que vendem todo tipo de bugiganga, pratos da culinária tailandesa e petiscos, com destaque para os exóticos insetos, larvas e cavalos-marinhos fritos, que estão ali mais para atrair a atenção do turista do que qualquer outra coisa.

Uma dica importante para quem quiser experimentar as iguarias locais: observe bem a limpeza do local e evite alimentos mais passíveis de contaminação, como comidas cruas em geral, frutas, água que não seja mineral (engarrafada), entre outros.

Compras

Bangcoc é o paraíso daqueles que não resistem a umas comprinhas. Shopping centers, por exemplo, podem ser encontrados nas mais diversas partes da cidade, sendo a região da praça Siam a que mais se destaca por reunir estabelecimentos do tipo. Um deles, talvez o mais famoso, é o suntuoso Siam Paragon, um completíssimo templo dedicado ao consumo, com lojas, praça de alimentação e muito mais.

Siam Center

Mais de 200 lojas estão reunidas neste que é mais um excelente centro de compra de Bangcoc. Lá o visitante encontra uma série de marcas mundialmente famosas, como Nike, Levis, a brasileiríssima Havaianas, além das tailandesas e superlegais  Jaspal e Baking Soda.

Além disso, o belo e moderno prédio, situado em uma das áreas mais movimentadas da cidade, oferece opções de restaurantes e cafés, todos situados no último andar do edifício. O Siam Center fica ao lado do gigante shopping Siam Paragon.

Dicas 

O que levar na mala

Um bom tênis, para andar bastante pela cidade, além de roupas confortáveis e apropriadas para o forte calor. Fique atento apenas para o fato de que é proibido entrar nos templos budistas vestindo shorts/saias acima do joelho, blusas sem manga e/ou muito decotadas.

Em razão de acordo entre o Brasil e a Tailândia, não é necessário visto para os brasileiros que desejam ingressar na Tailândia a turismo ou negócios, com permanência no país limitada a 90 dias. O passaporte deve ter, pelo menos, seis meses de validade.

Febre amarela: para a entrada de brasileiros em território tailandês, residentes ou não no Brasil, é exigida a apresentação do Certificado Internacional de Vacinação (CIV) com imunização válida para a febre amarela. Ao chegar no Aeroporto Internacional de Bangcoc, o passageiro brasileiro deverá, antes de passar pelo controle de passaportes, dirigir-se ao balcão de controle sanitário (Health Control), onde deverá apresentar o referido certificado, bem como preencher um formulário que lhe será entregue.

Golpes

Muito cuidado com os golpes aplicados em frente ao Grande Palácio, antiga residência real. Pessoas de má fé se passam por guardas do local – portando crachás e usando até uniformes – e abordam turistas que estão se dirigindo ao palácio, para informá-los que a atração está fechada naquele dia ou fechada para o almoço. Na sequência, um tuk-tuk já está à disposição para levar o turista para outros templos e áreas de compra.

Evite os tuk-tuks

Os tuk-tuks, triciclos motorizados com cabine para dois ou mais passageiros, estão por todos os lados da cidade. Os preços das corridas são extremamente atraentes – THB 20, THB 30 -, mas as viagens, em geral, são pouco seguras. Além disso, é preciso ter cuidado, pois muitos motoristas acabam aplicando golpes em turistas, entre eles o de levar o passageiro para áreas de compras, diferentes do destino original.

Táxi

Pegar um táxi em Bangcoc não é nada caro, muito pelo contrário. O problema é que muitos taxistas da cidade não gostam de ligar o taxímetro – apesar de haver uma determinação para isso – e acabam cobrando preços mais altos do que o normal. A dica é exigir o taxímetro ou negociar o preço. Outro ponto importante: opte sempre por táxis oficiais.

Comida de rua

Comer na rua, junto aos locais, é uma excelente maneira de conhecer melhor e explorar um destino turístico, além de ser barato, porém é preciso ter cuidado ao optar por esse tipo de alimentação se a intenção é evitar problemas de saúde que estraguem a sua viagem. Algumas medidas importantes:

– só tome água mineral engarrafada;

– evite o consumo de gelo;

– desconfie sempre de alimentos crus, como frutas, legumes/verduras, peixes, especialmente se estiverem expostos;

– antes de comprar o alimento, observe a higiene do local e a forma de preparo (confie no seu instinto!);

– observe também se a barraca/restaurante é frequentada/o por outros turistas e locais;

– se você sentir qualquer sintoma estranho após ingerir o alimento, como diarreia, febre etc. , procure um médico imediatamente.

Quando ir

Bangcoc é uma cidade encantadora durante todo o ano, mas, antes de fechar as malas e partir rumo ao destino, é bom saber mais sobre o clima. Ao todo, são três estações, sendo que a época mais quente e úmida do ano ocorre entre os meses de fevereiro e maio, com temperaturas máximas de 31ºC, em média.

A partir de maio começa a temporada das chuvas na porção norte do país, que se estende até meados de novembro. A melhor época para visitar a cidade, portanto, seria do final do novembro até meados de fevereiro, quando as temperaturas estão altas, porém a ocorrência de chuvas é bem menor.

Referências

http://guia.melhoresdestinos.com.br/bangkok-146-c.html

http://www.kangaroo.com.br/destinos/tailandia

http://viajeaqui.abril.com.br/paises/tailandia

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado